Partido de Putin sofre revés, mas mantém maioria em Parlamento

Com 96% das urnas contadas, Rússia Unida teve pouco menos de 50% dos votos em eleição parlamentar; oposição denuncia fraudes.

BBC Brasil, BBC

05 de dezembro de 2011 | 08h48

O partido Rússia Unida, do primeiro-ministro Vladimir Putin, perdeu apoio nas eleições parlamentares do país, realizadas neste domingo.

Com 96% dos votos contados, a Comissão Central Eleitoral disse que o partido tem pouco menos de 50% dos votos, uma forte queda em relação a 2007, quando obteve 64%.

A eleição está sendo vista como um teste de popularidade para Putin, que concorrerá novamente à Presidência do país em março.

Partidos de oposição reclamaram de violações das leis eleitorais.

O único grupo de monitoramento independente da Rússia, Golos, diz que registrou 5,3 mil reclamações.

'Violações e fraude'

O chefe da Comissão Eleitoral, Vladimir Churov, disse que a Rússia Unida deverá manter uma pequena maioria na Câmara baixa do Parlamento, a Duma, com 238 de 450 cadeiras.

Se a previsão se confirmar, o partido terá perdido sua atual maioria de dois terços da Duma 315 cadeiras), que permitia realizar mudanças na Constituição sem maiores problemas.

Churov disse ainda que o Partido Comunista ficou em segundo lugar nas eleições, com 19,2% dos votos e 92 cadeiras.

O partido Rússia Justa ficou em terceiro lugar com 13,2% dos votos e 64 cadeiras, e o nacionalista Partido Liberal Democrático da Rússia teve 11,7% da votação e 56 lugares no Parlamento.

"Recebemos milhares de ligações de oficiais regionais, confirmando muitas violações e fraudes", disse o vice-diretor do Partido Comunista, Ivan Melnikov, no site do partido.

"Ao longo do dia, foi como receber relatos de uma zona de guerra."

Entre as principais denúncias estão desde a compra de votos à descoberta de urnas cheias de votos falsos.

O correspondente da BBC em Moscou, Steve Rosenberg, diz que, se confirmado, o resultado será um constrangimento para Putin, três meses antes de sua nova candidatura à presidência da Rússia.

Putin foi presidente do país entre 2000 e 2008, mas a Constituição do país impede um terceiro mandato consecutivo.

O grupo Golos, cujos monitores não são afiliados a nenhum partido, diz que seu site sofreu um ciberataque. A estação de rádio liberal Ekho Moskvy também afirma que seu site foi atacado.

Golos - que significa "voz" ou "voto" é financiado pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Vladimir Putin acusou forças estrangeiras de intromissão nas preparações para a eleição e membros da Duma questionaram se uma organização financiada por outros países deveria ter permissão para monitorar eleições russas.

A polícia de Moscou disse que mais de 100 pessoas foram presas em uma manifestação da oposição no centro da cidade no domingo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.