Partido derrotado questiona resultados das eleições no Butão

O PDP retirará os dois únicos deputados que obtiveram cadeira no futuro Parlamento

EFE

29 de março de 2008 | 04h53

O Partido Democrático Popular (PDP) do pequeno reino do Butão questionou os resultados das históricas eleições de segunda-feira e anunciou a retirada dos dois únicos deputados que obtiveram cadeira no futuro Parlamento. O anúncio foi feito nesta sexta-feira à noite pela direção do PDP, cujo presidente, Sangay Ngedup, qualificou de "chocantes" os resultados, nos quais o Druk Phuensum Tshogpa (DPT, Partido Virtuoso do Butão) conquistou 45 das 47 cadeiras da Câmara. Ngedup pediu ainda uma investigação sobre o pleito. Consultado, o presidente da Comissão Eleitoral, Dasho Kunzang Wangdi, disse hoje que tomou conhecimento das intenções do PDP pela imprensa, e afirmou que não foi informado oficialmente. Wangdi defendeu a "transparência" do pleito, o primeiro ao Parlamento da história do Butão, e considerou a decisão do PDP um gesto "de mau perdedor". Os primeiros resultados oficiais outorgaram ao PDP três cadeiras, mas a Comissão Eleitoral os rebaixou posteriormente a duas, após anunciar que tinha detectado um falha na apuração. Estas eleições são o ponto culminante de uma transição amparada pelo rei Jigme Singye Wangchuck, que após dar sinal verde a uma proposta de Constituição abdicou, em dezembro de 2006, em favor de seu filho Jigme Khesar. Khesar, um jovem de 26 anos educado em Oxford, se manteve com pulso firme no caminho das reformas, e apostou na transformação do país em uma Monarquia parlamentar após um século de absolutismo. O rei continuará sendo chefe de Estado após a formação do novo Governo e, segundo a Constituição, só poderá ser deposto com o voto de pelo menos dois terços da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.