Adam Berry/Pool via EFE/EPA
Adam Berry/Pool via EFE/EPA

Partido do chanceler alemão Olaf Scholz escolhe novos líderes

Legenda centenária será comandada por centrista Lars Klingbeil e esquerdista Saskia Esken

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2021 | 13h49

BERLIM - O Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD, na sigla em alemão), do novo chanceler Olaf Scholz, escolheu neste sábado, 11, seus novos líderes. Os militantes votaram no congresso do partido em favor da dupla formada por Lars Klingbeil, de 43 anos, que pertence à corrente centrista e é próximo de Scholz, e Saskia Esken, de 60 anos e integrante da ala esquerdista, que já copresidia a legenda há dois anos. Klingbiel obteve 86,3% dos votos e Esken, 76,7%. 

Secretário-geral do SPD há quatro anos, Klingbeil é considerado o arquiteto da ressurreição de um partido dado como morto no início do ano, mas que ganhou as eleições legislativas em setembro com 25,7% dos votos. Agora, o partido tem que mostrar força nas quatro eleições regionais a partir de 2022. 

Klingbeil, um homem sorridente de 1,96m de altura, se define como "pragmático e não dogmático", mas mantém boas relações com a ala esquerdista do SPD, por isso é considerado o autor da pacificação das lutas internas entre as diferentes tendências do partido.   

O posto de secretário-geral do SPD ficará agora com Kevin Kühnert, de 32 anos e da ala esquerdista, que, durante muito tempo, foi um opositor de Scholz, mas mantém agora uma imagem mais conciliadora. 

Sua escolha simboliza a renovação dos quadros do SPD, no qual metade dos parlamentares eleitos em setembro são novos, e um quarto deles têm menos de 35 anos. 

O SPD acaba de formar uma coalizão de governo com os Verdes e o partido liberal FDP. 

Depois de 16 anos de governo de Angela Merkel, Olaf Scholz se tornou na última quarta-feira, 8, o nono chanceler da história da Alemanha, e o quarto social-democrata a chegar ao posto. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.