Partido do governo iraquiano alega fraude eleitoral

Partido do governo iraquiano alega fraude eleitoral

O partido do primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, afirmou que uma investigação sobre as eleições de 7 de março mostrou que 750 mil votos são suspeitos de serem fraudulentos, o que seria suficiente para mudar o resultado da eleição.

AE/AP, Agência Estado

11 de abril de 2010 | 12h48

A aliança de Nouri al-Maliki perdeu por uma margem pequena para o partido do ex primeiro-ministro Ayad Allawi, que exigiu uma recontagem. "Estimamos que 750 mil votos foram manipulados. Este número pode mudar o resultado das eleições," disse Hajim al-Hasani, um porta-voz da aliança do al-Malaki.

Mas de 11,5 milhões de pessoas votaram nas eleições iraquianas. Segundo observadores internacionais, o pleito ocorreu de maneira correta e transparente.

Uma comissão está analisando as acusações, mas não há data para uma decisão.

Al-Hasani alega que seu partido foi roubado de até 15 lugares no parlamento. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueeleiçõesfraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.