EFE/ Martin Alipaz
EFE/ Martin Alipaz

Partido do presidente eleito da Bolívia denuncia um 'ataque' à sua sede

De acordo com o MAS, um grupo de pessoas detonou uma dinamite no local enquanto Luis Arce estava em reunião; não há feridos

EFE, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 03h14

LA PAZ - O Movimento ao Socialismo (MAS) denunciou um “atentado” contra sua sede em La Paz, onde se encontrava o presidente eleito da Bolívia, Luis Arce, sem nenhuma evidência de vítimas.

“Condenamos o ataque à nossa casa de campanha em La Paz”, escreveu o ex-presidente boliviano Evo Morales no Twitter, que da Argentina liderou a campanha do MAS nas últimas eleições no país.

“Pequenos grupos tentam gerar um clima de confusão e violência, mas não terão sucesso. Não cairemos em nenhuma provocação. Nossa revolução é pacífica e democrática”, publicou Morales.

O MAS reproduziu em comunicado algumas declarações do seu porta-voz Sebastián Michel nas quais assegurou que esta noite, hora local, um grupo de pessoas detonou uma dinamite contra a sede do partido quando Arce se encontrava em reunião. Não há feridos.

Michel qualificou o acontecimento como um "ataque", em declarações às redes Televisión Universitaria e Red Uno, nas quais lamentou que as autoridades não tenham se manifestado ou garantido a segurança.

“Não vimos nenhuma declaração sobre o assunto do Ministro de Governo Arturo Murillo, por isso sentimos que estamos à nossa mercê, totalmente desprotegidos e ninguém nos dá a garantia necessária para a segurança de nossa autoridade”, disse ele, citado no comunicado.

A Polícia Boliviana foi ao local, mas no momento não há nenhuma declaração oficial do governo interino do país.

A posse de Luis Arce como presidente da Bolívia está prevista para o próximo domingo em La Paz, depois de vencer as eleições gerais de 18 de outubro com uma larga maioria de 55,1% dos votos. A vitória de Arce é amplamente reconhecida dentro e fora do país, inclusive por seus principais rivais políticos na Bolívia e pela comunidade internacional.

No entanto, alguns setores do país exigem uma auditoria das eleições denunciando que pode ter havido fraude, o que foi descartado pelo órgão eleitoral, que argumenta que a confiabilidade do resultado é apoiada por observadores internacionais. O MAS descreveu esses setores como "grupos minoritários que intimidam a população"./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.