Partido governista projeta segundo turno no Zimbábue

Fontes do partido governista Zanu-PFdisseram na terça-feira que o dirigente oposicionista MorganTsvangirai ficou à frente do presidente Robert Mugabe naeleição presidencial de domingo no Zimbábue, mas que os doisainda deverão disputar um segundo turno. Sob anonimato, duas fontes disseram que as projeçõesmostram Tsvangirai com 48,3 por cento dos votos, contra 43 porcento de Mugabe. Um terceiro candidato, Simba Makoni, deveficar com oito por cento. Haverá segundo turno se nenhumcandidato alcançar 51 por cento. "O que isso significa é que estamos vendo uma repetição,porque ele (Tsvangirai) não ganhou com uma margem superior a 51por cento, que teria lhe dado o cargo diretamente", disse umadas fontes. A Rede de Apoio Eleitoral do Zimbábue também projetavitória de Tsvangirai (49,4 a 41,8 por cento) e a necessidadede um segundo turno. Nesse cenário, Makoni, ex-integrante doZanu-PF, fica com 8,2 por cento. Caso haja segundo turno dentro de três semanas, a oposiçãodeve se unir contra Mugabe. Um importante diplomata ocidental também disse à Reutersque deve haver segundo turno. "Podemos todos especular sobre oque eles (do Zanu-PF) fizeram ou deixaram de fazer. Mas quandose olha para algumas projeções de outros observadores, como aRede de Apoio Eleitoral, elas apontam para uma nova votação." A oposição acusa o governo de retardar a divulgação dosresultados eleitorais para tentar acobertar fraudes em favor deMugabe, que está há mais de 20 anos no poder. A projeção do Zanu-PF também indica que o Movimento para aMudança Democrática, de Tsvangirai, deve obter uma estreitamaioria na Câmara dos Deputados, mas que o atual governomanterá o controle do Senado. (Por Cris Chinaka)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.