REUTERS
REUTERS

Partido governista reconhece vitória de Xiomara Castro, mulher de Zelaya, nas eleições hondurenhas

Esquerdista se tornará primeira mulher a governar Honduras e prometeu governo de reconciliação

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2021 | 19h13

TEGUCIGALPA - O governista Partido Nacional, de Honduras, reconheceu nesta terça-feira, 30, a vitória da candidata de oposição, a esquerdista Xiomara Castro, nas eleições presidenciais do último domingo, 28.

Xiomara, do partido Liberdade e Refundação (Libre), soma 53,49% dos votos e se tornará a primeira mulher a governar Honduras. Nasry Asfura, o candidato do Partido Nacional, conseguiu 33,98%. Mais da metade das urnas já foi apurada.

"Hoje, podemos ver o clima de paz e tranquilidade que há no país, embora o Partido Nacional não tenha sido eleito ao comando do governo", disse o secretário do Comitê Central da legenda, Kilvett Bertrand, à Radio América. "Desejamos o máximo de sucesso aos que venceram as eleições", acrescentou.

A apuração avança com lentidão porque as atas que precisam ser incluídas no sistema chegam de forma física, enquanto a primeira metade do total chegou em formato digital, segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

Xiomara é esposa do ex-presidente Manuel Zelaya (2006-2009), que foi deposto por uma aliança cívico-militar de direita que rejeitava sua aproximação com a Venezuela de Hugo Chávez, e chegou a se refugiar por quatro meses, entre 2009 e 2010, na embaixada brasileira em Tegucigalpa.

A candidata, no entanto, prometeu realizar "um governo de reconciliação". Sua chegada ao poder colocará fim a uma hegemonia de 12 anos do Partido Nacional e substituirá Juan Orlando Hernández, que termina seu segundo mandato em meio a denúncias de narcotráfico nos Estados Unidos.

Nestas eleições, o Libre também conseguiu eleger os prefeitos das duas maiores cidades do país, a capital Tegucigalpa e San Pedro Sula. Os candidatos governistas nessas cidades também já reconheceram suas derrotas. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.