Mohamed Abd El-Ghany/Reuters
Mohamed Abd El-Ghany/Reuters

Partido islâmico do Egito amplia vantagem em eleições

Um terço dos distritos votaram, com o restante do país realizando eleições em mais duas etapas

AE, Agência Estado

07 de dezembro de 2011 | 09h24

CAIRO - A Irmandade Muçulmana afirmou nesta quarta-feira, 7, que obteve dois terços das cadeiras em disputa no início do processo eleitoral no Egito, o primeiro desde a queda do ditador Hosni Mubarak, em fevereiro. O grupo, representado pelo Partido Liberdade e Justiça (PLJ), afirmou em sua página no Facebook que ficou com 36 das 54 cadeiras, ou 66,6% das vagas.

 

Veja também:

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

tabela HOTSITE: Eleições no Egito

A Irmandade Muçulmana era um movimento banido sob o regime de Mubarak. O partido islâmico também está à frente em uma votação separada em que as cadeiras são dadas pelos votos nos partidos, não nos candidatos. Na disputa partidária, que distribuirá 100 cadeiras, ela obteve 36,6% dos votos, enquanto o fundamentalista islâmico Al-Nur ficou em segundo, com 24,4%. Os resultados oficiais para os votos nos indivíduos não foram divulgados.

A vitória arrasadora do PLJ em disputas individuais e sua importância no voto entre os partidos abrem caminho para o partido tornar-se o principal poder no novo Parlamento, que terá 498 cadeiras.

Apenas um terço dos distritos votaram até agora, com o restante do país realizando eleições em mais duas etapas, em 14 de dezembro e em janeiro.

A perspectiva de um Parlamento dominado pelos islâmicos gera temor entre os liberais em relação às liberdades civis, aos direitos das mulheres e à liberdade religiosa, em um país com a maior minoria cristã no Oriente Médio.

A Irmandade Muçulmana afirma que seus valores islâmicos são compatíveis com a democracia e que era a favor das liberdades individuais e do trabalho em conjunto com partidos que não são muçulmanos. Já o Al-Nur, um grupo linha-dura salafista, defende uma interpretação fundamentalista do Islã, a visão dominante na Arábia Saudita.

O movimento liberal ficou com 29,3% votos no Egito, na primeira rodada de eleições. Mas esse grupo é muito fragmentado e está dividido em seis diferentes coalizões.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitopolíticaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.