Partido neonazista pode ser legalizado na Argentina

A Justiça argentina está a ponto de legalizar o principal partido neonazista argentino, o Partido Nuevo Triunfo (PNT), liderado por Alejandro Biondini, já que conseguiu as 4 mil assinaturas necessárias para sua oficialização. Além disso, a oficialização do PNT - que se define como "nacional-social" - não foi objetada por nenhum partido político. Tal como Adolf Hitler, Biondini é chamado de "Führer" (líder). Dentro do PNT, existe a lenda de que Hitler, quando estava morrendo em Berlim em maio de 1945, teria tido forças para indicar em um mapa-múndi, com o dedo indicador trêmulo, a Argentina. Murmurando, teria dito: "daqui virá o novo líder".Oficialmente, o título de Biondini é "Kalki", palavra que na mitologia hindu refere-se ao deus que virá ao mundo para acabar com a era de "escuridão" e impor uma "nova ordem". Calcula-se que em todo o país teria de 4 mil a 5 mil simpatizantes. O partido afirma que não é anti-semita, mas seu site na internet faz intensa propaganda contra o sionismo e os imigrantes, além de comemorar cada 20 de abril o aniversário de Hitler. Anos atrás, Biondini tentou usar a suástica como símbolo de seu partido. Mas, por causa de proibições da Justiça de usar o símbolo nazista, Biondini encontrou uma cruz que recorda a suástica, mas que afirma ser a cruz "sete" de São Caetano. No entanto, igual à suástica de Hitler, o "sete" de Biondini está dentro de uma esfera branca sob um fundo vermelho sangue.O partido tem até um "mártir", Alfredo Guereño, que, segundo o PNT, foi assassinado por um comando sionista quando estava investigando o tráfico de órgãos de bebês para Israel. O PNT afirma que o comando teria cortado um braço de Guereño e jogado seu corpo pelo buraco de um elevador.No entanto, segundo a polícia, Guereño estava bêbado. O acidente teria sido causado pelos 2,0 gramas de álcool que os legistas encontraram em sua sangue. A Argentina tem a tradição nazista mais forte da América Latina. Nos anos 30, neste país esteve o maior partido nazista fora da Alemanha. O partido nazista argentino contou com 60 mil simpatizantes, que realizavam constantes manifestações pelas ruas de Buenos Aires. Depois do fim da guerra, a Argentina transformou-se no refúgio de milhares de criminosos de guerra nazistas e fascistas que fugiam da Alemanha, Itália, Hungria, Croácia e França. Diversos nazistas colaboraram intensamente com o governo do general Juan Domingo Perón, especialmente no know-how de tortura de opositores políticos.Smurfs e Simpsons - Segundo Raúl Kollmann, um dos principais especialistas em neonazismo na Argentina, os debates dentro dos militantes do PNT vão desde a política tradicional até a politização nos desenhos animados. Entre todos, o preferido dos integrantes do PNT é Os Smurfs, já que todos obedecem a Papai Smurf, o que indica o respeito à autoridade. Além disso, a única fêmea da tirinha é ariana, ostentando longos cabelos loiros. O inimigo deles é Gargamel, personagem que identificam como "judeu". Os Simpsons, nesses debates, são abominados, pois a série seria "bolchevique e psiconalítica".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.