Partido norueguês pede prisão de Sharon

Um pequeno partido de esquerda pediu que o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, seja detido por crimes de guerra quando visitar a Noruega, no próximo mês. Em uma denúncia apresentada ao procurador-geral, a Aliança Eleitoral Vermelha afirma que Sharon, que chegará à Noruega no próximo dia 16 para analisar as gestões de paz no Oriente Médio, "tem sido um terrorista e um criminoso desde 1953". "Quando estiver em território norueguês, (Sharon) deve ser detido e julgado", diz a denúncia. Como Sharon tem imunidade devido ao cargo, os denunciantes apresentaram a possibilidade de o premier ser interrogado agora e processado quando deixar o poder em Israel. O grupo também prometeu organizar manifestações contra o líder israelense durante sua breve estadia na Noruega. O promotor-adjunto Ingunn Fossgard afirmou que a queixa será estudada e que a decisão sobre uma possível detenção de Sharon será tomada na próxima semana. O chanceler da Noruega, Kaare Eltervaag, se recusou a comentar o caso. No ano passado, a promotoria desestimou uma denúncia similar contra Sharon apresentada pela ala juvenil do Partido Trabalhista norueguês.

Agencia Estado,

02 Julho 2003 | 16h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.