Partido oficializa Xi Jinping como presidente da China

Congresso chinês conclui transição de poder; novo líder comandará segunda economia do mundo pelos próximos 10 anos

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2013 | 02h46

Com apenas um voto contra e três abstenções, Xi Jinping foi "eleito" ontem presidente da China por 2.952 membros do Congresso Nacional do Povo, encerrando o processo de troca de liderança iniciado em novembro. Filho de um herói revolucionário, o líder de 59 anos é agora o comandante supremo do Partido Comunista, do Exército e do governo, com poder maior do que tinha seu antecessor Hu Jintao.

Hoje, Xi nomeará Li Keqiang para o cargo de premiê, o segundo na hierarquia de poder do país. A dupla deverá dirigir a China pela próxima década e enfrentar o desafio da desaceleração do crescimento, o aumento de tensões sociais, a corrupção, a degradação ambiental e a pressão por reformas políticas de uma sociedade cada vez mais diversificada.

Hu Jintao fez ontem sua última aparição pública como presidente da China e foi aplaudido pelos delegados quando entrou no Grande Palácio do Povo, na frente de Xi Jinping. Ambos ficaram sentados lado a lado, enquanto eram contados os votos dos representantes para uma série de posições de comando do governo e do congresso.

A escolha de Xi como presidente da China está decidida desde 2007, quando ele ingressou no Comitê Permanente do Politburo, o órgão máximo de comando da China. Seu nome era o único na cédula entregue ontem aos integrantes do Congresso Nacional do Povo, que só tinham a chance de dizer "sim" ou "não".

Dentro do rigoroso script, a relativa surpresa foram os 80 votos contrários à nomeação do reformista Li Yuanchao para a vice-presidência, cargo que está em oitavo lugar na hierarquia de comando do país, atrás dos sete integrantes do Comitê Permanente do Politburo. Com 37 abstenções, ele acabou "eleito" com 2.839 votos a favor, em uma "disputa" na qual era a única opção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.