Partido opositor pede nova Constituição

O partido opositor venezuelano Vontade Popular - liderado por Leopoldo López, preso desde fevereiro acusado de estimular a violência nos protestos antigoverno deste ano na Venezuela - emitiu ontem um comunicado em que pede a convocação de uma Assembleia Constituinte. A legenda convoca ainda um "protesto cívico, firme e não violento" pelo fim do governo chavista.

CARACAS, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2014 | 02h03

"Estamos diante de uma ditadura que não vai dar nada de presente para o povo democrático. Esse sistema é inviável. Cada dia que passa a ditadura se consolida, a crise piora, somos mais pobres e menos livres", diz o texto do Vontade Popular.

O partido opositor pede a ativação do Artigo 348 da Constituição venezuelana, segundo o qual podem convocar a Constituinte o presidente o país, a Assembleia Nacional, os Conselhos Municipais em assembleia ou 15% dos eleitores inscritos.

O Vontade Popular pede ainda um Conselho Nacional Eleitoral (CNE) " verdadeiramente imparcial, um sistema de Justiça que acabe com a impunidade, uma Defensoria que realmente defenda o povo e uma Controladoria que persiga os corruptos".

No mesmo dia, a Mesa da Unidade Democrática (MUD), que reúne a oposição contra o chavismo, anunciou que escolheu o jornalista Jesús "Chuo" Torrealba para ser o novo secretário executivo da coalizão - para substituir Ramón Guillermo Aveledo, que deixou o cargo em 30 de julho.

Torrealba tem até amanhã para responder se aceita a secretaria executiva da MUD. Ao anunciar a indicação da aliança, o deputado e secretário-geral do partido Primeiro Justiça, Tomás Guanipa, qualificou o jornalista como um lutador social que busca uma mudança democrática, segundo o jornal El Universal.

ONU. O presidente Nicolás Maduro, que no ano passado cancelou sua primeira participação como chefe de Estado na Assembleia-Geral das Nações Unidas denunciando um complô para assassiná-lo, afirmou que discursará nos debates de alto nível do evento, que se iniciarão amanhã. Maduro não disse quando viajará para Nova York. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.