Partido pede expulsão de deputado que votou contra anexação da Crimeia

Ponomariov respondeu dizendo que a Rússia não teve cuidado em sua decisão de anexar a região

O Estado de S. Paulo,

21 de março de 2014 | 12h31

MOSCOU - O líder do Partido Liberal Democrata da Rússia, o ultranacionalista Vladimir Zhirinovsky, anunciou nesta sexta-feira, 21, que sua legenda vai pedir a expulsão de Ilya Ponomariov, o único membro do Duma (Câmara dos Deputados) que votou contra o tratado de incorporação da Crimeia e Sebastopol à Rússia. "Vamos exigir que retirem o cargo de deputado de Ponomariov."

Segundo o político, a recusa de Ponomariov em apoiar o tratado que foi ratificado pelos demais membros da Câmara dos Deputados é uma demonstração de sua "linha contrária ao Estado". O deputado, membro do partido Rússia Justa, de corte social-democrata, rebateu em seu blog. "As melhores intenções nos levaram a cometer um grande erro político: votar contra a guerra."

Ponomariov destacou que com sua decisão de anexar Crimeia após o referendo realizado no último dia 16, "a Rússia cometeu um grande erro que pode ser trágico para dois povos irmãos: o russo e o ucraniano. Pode inclusive ser prejudicial à ideia de unidade dos povos eslavos e para todo o sistema de relações pacíficas".

O deputado disse que não tem dúvidas que "a Crimeia é russa e por justiça deve ser integrada à Federação", mas considera que seu país não agiu com a devida atenção e cuidado que se deve ter no terreno da política externa e que decisões precipitadas serão "contraproducentes" do ponto de vista dos objetivos pretendidos.

Ponomariov, de 38 anos, foi eleito em duas ocasiões como deputado da Duma. Em setembro de 2012, foi temporariamente proibido de discursar na Duma após qualificar o partido do presidente russo, Vladimir Putin, Rússia Unida, de "um partido de ladrões e gente sem-vergonha"./ EFE

 
Tudo o que sabemos sobre:
Crise na UcrâniaRússiaCrimeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.