Partido Socialista francês escolhe presidenciável nesta quinta

Os três possíveis candidatos do Partido Socialista francês para as eleições presidenciais de 2007 passaram o último dia de campanha mobilizando partidários e tentando angariar votos entre os militantes indecisos. Nas eleições partidárias, que ocorrem amanhã, a candidata favorita, Ségoléne Royal, precisa superar a barreira de 50% dos votos para oficializar sua candidatura. Caso não consiga, ela terá que enfrentar Dominique Strauss-Kahn ou Laurent Fabius em um segundo turno, no próximo dia 23. Para esta quarta, Royal programou um comício em Nantes - no mesmo lugar em que François Mitterrand, primeiro e único presidente socialista da França, realizou o último ato eleitoral de campanha antes de sua vitória, em 1981. O ex-primeiro-ministro francês Fabius, terceiro nas pesquisas, optou hoje por reunir simpatizantes no reduto eleitoral de Seine-Maritime. Já Strauss-Kahn, que é ex-titular da Economia, fará dois comícios - em Narbonne e em Montpellier -, em busca de votos dos partidários do ex-chefe de governo socialista Lionel Jospin, que possui grande popularidade na região. Até o momento, não se sabe qual será o impacto do vídeo divulgado recentemente pela Internet, no qual Royal aparece criticando professores. Até mesmo os simpatizantes da candidata reconhecem que a vantagem que ela tinha nas pesquisas diminuiu ao longo dos seis debates realizados com seus dois adversários. Ainda assim, a relação de forças no terreno parece claramente favorável a Royal, de 53 anos, que traz uma proposta de renovação social, cujo lema é a "democracia participativa". Fabius, de 60 anos, defende a linha mais esquerdista entre os três candidatos e conta com o apoio de 18 dirigentes de federações. E Strauss-Kahn, de 57 anos, que se apresenta como um "social-democrata moderno" é apoiado por outros 17 líderes. Os militantes do Partido Socialista serão convocados a comparecer às urnas entre as 16 e 22 horas, em 4 mil colégios eleitorais. As primeiras estimativas dos resultados serão anunciadas pela direção do partido em Paris, na madrugada da próxima sexta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.