Partido Trabalhista australiano persegue aliança para continuar governando

Segundo apuração de 78,3% votos, trabalhistas tem 72 cadeiras e conservadores tem 69

Efe

23 de agosto de 2010 | 05h25

Jornais noticiam busca de acordo na Austrália.

 

SYDNEY - A primeira-ministra interina da Austrália, Julia Gillard, prepara nesta segunda-feira, 23, uma rodada de negociações com a minoria parlamentar com a finalidade de formar governo, dizem fontes do Partido Trabalhista.

Gillard, que perderá o cargo que assumiu há dois meses no caso de fracassarem as negociações, retornou a Canberra, onde os três deputados independentes que formam a minoria planejam se reunir a fim de apresentar uma estratégia comum.

Segundo os últimos dados da apuração provisória dos votos das eleições gerais realizadas no sábado passado, com 78,3% das cédulas apuradas, o Partido Trabalhista tem 72 cadeiras, frente as 69 a oposição conservadora liderada por Tony Abbot.

O Partido Verde obteve uma cadeira, outras três são para candidatos independentes, e resta até o momento cinco assentos por decidir.

Para que um partido possa formar governo sem recorrer a alianças políticas é necessário dispor de 76 cadeiras do total de 150 que compõem o Parlamento federal australiano.

Julia confirmou que nenhuma das duas maiores legendas obterá as cadeiras suficientes para governar sozinho, por isso que com a finalidade de reter o poder terá que pactuar com os três deputados independentes, e também o único representante parlamentar do Partido Verde.

A apuração provisória aponta para que o Partido Verde será a força que decidirá de que lado vai se inclinar a balança no Senado, instituição à qual a Constituição confere notáveis poderes, incluindo o de bloquear as leis que o Governo propõe ao Parlamento.

Os três deputados independentes, cujo apoio é chave para os Trabalhistas e também para a aliança conservadora, afirmaram que estão abertos a negociar com os dois grupos políticos, apesar de serem ex-membros da coalizão formada pelos partidos Liberal e Nacional liderado por Abbott.

O porta-voz da área de finanças da coalizão conservadora, Andrew Robb, disse que é provável que a incerteza sobre qual das duas forças políticas forma Governo não desaparecerá até meados da próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.