Partidos assinam acordo para coalizão em Portugal

O Partido Social Democrata (PSD) e o Centro Democrático Social (CDS) assinaram hoje um acordo para formar o próximo governo de coalizão em Portugal. As duas siglas se comprometeram a restaurar a confiança dos mercados financeiros e formar um governo estável nos próximos quatro anos.

GABRIEL BUENO, Agência Estado

16 de junho de 2011 | 10h40

"Hoje, nós começamos um novo ciclo", afirmou o primeiro-ministro designado e líder do PSD, Pedro Passos Coelho, após firmar o pacto com Paulo Portas, líder do conservador CDS, um partido de menor tamanho. Passos Coelho disse que o novo governo representará "uma maioria para Portugal, um governo estável para os próximos quatro anos".

Segundo o novo primeiro-ministro, a meta é restaurar a confiança não apenas para Portugal, mas também para os mercados financeiros. Ele lembrou que isso é fundamental, pois Portugal terá de retornar aos mercados em até dois anos para cobrir suas necessidades de financiamento.

Passos Coelho não deu mais detalhes sobre o programa de governo, dizendo que ele será anunciado quando o governo se formar. O político, de 46 anos, foi designado primeiro-ministro ontem, após garantir o maior número de votos na última eleição geral portuguesa. Deve agora entregar nos próximos dias ao presidente Aníbal Cavaco Silva uma lista de ministros que formarão seu gabinete.

O PSD obteve 38,6% dos votos nas eleições de 5 de junho, porém não conseguiu uma maioria para governar sozinho. Escolheu se aliar ao CDS, para criar uma maioria estável a fim de aprovar novas leis no Parlamento. Juntas, as duas siglas têm 129 dos 230 votos no Legislativo.

O governo de Passos Coelho terá de implementar reformas estruturais e medidas de austeridade previstas no pacote de 78 bilhões de euros assinado entre os três principais partidos de Portugal com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI). O acordo prevê reformas abrangentes no mercado trabalhista, nas regulações dos setores de energia e telecomunicações, bem como privatizações, para melhorar uma economia que analistas consideram excessivamente rígida e pouco competitiva. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.