Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Partidos de Capriles e López se fortalecem em eleições primárias da oposição venezuelana

Candidatos do Primeiro Justicia, de Henrique Capriles, e Voluntad Popular, de Leopoldo López, obtiveram a maior parte das indicações para eleição parlamentar

O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2015 | 11h57

CARACAS - A coalizão opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) divulgou nesta segunda-feira, 18, os primeiros resultados das primárias realizadas no domingo em 12 dos 24 Estados do país para escolher parte dos candidatos que disputarão a eleição parlamentar, prevista para o fim deste ano.

O partido Primeiro Justicia, do governador do Estado de Miranda e ex-candidato à presidência Henrique Capriles, obteve a maior parte das indicações e terá 13 candidatos. O segundo partido opositor que conquistou mais indicações foi o Voluntad Popular - cujo principal líder, Leopoldo López, está preso desde fevereiro de 2014 -, com 8 indicações.



As outras vagas ficaram divididas entre o partido Ação Democrática, que conquistou 7 indicações, o Um Novo Tempo (UNT), que terá direito a 5 candidatos, o Contas Claras, com 3 indicações e os partidos Copei e Avanzada Progresista, que indicarão 1 candidato cada.

Os primeiros números da votação, que teve a participação de 543.793 eleitores - equivalente a 7,4% da população habilitada a votar pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) -, foram divulgados por José Luis Cartaya, presidente da comissão eleitoral das eleições primária da MUD. 

De acordo com a Comissão Técnica Eleitoral da MUD, em até 72 horas serão divulgadas as outras 4 cadeiras que estavam em disputa, além do nome dos 42 candidatos que representarão a coalizão na eleição parlamentar.

"Os acordos e os prazos estabelecidos serão respeitados. Nesta semana tornaremos público o nome dos aspirantes a deputado que vão percorrer o país", disse o coordenador de política internacional da MUD, Ramón Guillermo Aveledo, ao jornal El Universal.

O secretário-executivo da MUD, Jesús "Chúo" Torrealba, ressaltou a participação dos venezuelanos nas primárias que, na sua opinião, "anseia por uma mudança na Venezuela a partir do Parlamento". 

Para Luis Vicente León, presidente da empresa de pesquisas Datanálisis, a participação da população foi "bastante respeitável", considerando que a votação ocorreu apenas em metade dos Estados e teve pouca divulgação da média. Nas primárias da MUD em 2010, participaram cerca de 360 mil pessoas, que na época equivaliam a 9,4% do eleitorado venezuelano.

León disse também que a votação de domingo foi um bom início de processo eleitoral para os opositores, mas que a MUD ainda precisa resolver e superar as diferenças entre os 29 partidos que formam a coalizão para definir os candidatos de consenso em alguns Estados.

Os outros 125 candidatos da MUD, completando a lista de 167 candidatos à deputado, serão escolhidos por consensos internos da própria coalizão. O governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) realizará suas eleições primárias no próximo mês.

Destaques. Entre os nomes dos candidatos escolhidos nas primárias de domingo que já foram divulgados pela MUD se destaca o de Daniel Ceballos, ex-prefeito da cidade de San Critóbal, capital do Estado de Táchira, preso desde março de 2014 na prisão militar de Ramo Verde após ser condenado por supostos crimes cometidos durante protestos contra o presidente Nicolás Maduro. Se for eleito - e caso o CNE permita que seu nome conste como candidato nas urnas de votação -, Ceballos teria direito a foro parlamentar e poderia ser solto da prisão.

Outro nome importante eleito nas primárias opositora foi o de Enzo Scarano, ex-prefeito de San Diego (Carabobo), que também foi preso e condenado pela Justiça venezuelana na mesma época que Ceballos, mas foi solto antes da prisão de Ramo Verde. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.