Partidos e militares da Guiné-Bissau tentam acordo

Representantes dos partidos políticos de Guiné-Bissau se encontraram com a junta militar neste domingo em uma tentativa de chegar a um acordo para a situação do país, dias depois de soldados terem prendido o primeiro-ministro. O porta-voz da coalizão de oposição, Fernando Vaz, disse neste domingo que o grupo militar se encontrou com partidos políticos pelo terceiro dia consecutivo em uma tentativa de chegar a um consenso antes que um contingente militar do bloco regional oeste africano ECOWAS chegue na segunda-feira.

EDUARDO MAGOSSI, Agência Estado

15 de abril de 2012 | 12h40

Segundo uma fonte, a maioria dos partidos não quer estar associada com o golpe. Vaz disse que os partidos estão convidando o partido do primeiro ministro preso para se unir às negociações, mas não está claro que ele irá aceitar. O primeiro ministro Carlos Gomes Jr foi o candidato mais cotado para ganhar as eleições presidenciais, marcadas inicialmente para 29 de abril.

Vaz disse que o grupo estava considerando duas propostas. A primeira, é uma solução constitucional, mas excluiria Gomes. A outra, seria a opção por uma mudança radical. O porta-voz não deu mais detalhes sobre o que seria esta segunda proposta. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Guinégolpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.