Partidos islâmicos querem abolir escolas mistas no Paquistão

Uma aliança de partidos islâmicos pró-Taleban, que obteve grande avanço nas eleições parlamentares do Paquistão, prometeu abolir gradualmente as escolas mistas, mas disse que também trabalharia para estabelecer mais escolas e universidades exclusivamente femininas. "Queremos que as meninas estudem em escolas, faculdades e universidades separadas, de acordo com os ensinamentos do Islã", disse Ameer ul-Azeem, porta-voz do Fórum da Ação Unida, uma aliança de seis partidos conservadores islâmicos. A aliança, que também é contrária ao apoio do Paquistão à coalizão liderada pelos EUA na guerra contra o terrorismo, conseguiu a terceira maior bancada nas eleições parlamentares de 10 de outubro, e tornou-se uma peça importante nas negociações para formar uma coalizão de governo. Imediatamente depois das eleições, a aliança abrandou seu discurso pré-eleitoral e adotou uma posição de conciliação em relação aos Estados Unidos, mas suas declarações e ações ficaram cada vez mais radicais, nos dias que se seguiram."Sabemos que a maioria das meninas não quer ir à escola com os meninos", disse Azeem, representante do partido Jamaat-e-Islami (pró-Taleban) na aliança. Mas Mehrun Nisa, de 24 anos, estudante da Universidade Peshawar, no noroeste do Paquistão, discordou. "Não vamos à universidade para encontrar os meninos", disse Nisa à Associated Press. "Vamos para estudar.""A não ser que eles estabeleçam faculdades e universidades profissionais, os líderes religiosos deveriam se abster de buscar uma política dura de educação, caso assumam o poder", disse ela. Waqar Anjum, uma estudante numa faculdade na cidade portuária de Karachi, disse que não se opõe às instituições de educação separadas para meninos e meninas. Mas "aqueles que gostam da educação mista também deveriam ter o direito de estudar nas instituições educacionais de sua escolha", afirmou Anjum.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.