Facções rivais concordam com necessidade de cessar-fogo no Iêmen

Conversações de paz foram iniciadas em Genebra sob o patrocínio da ONU

O Estado de S. Paulo

16 de junho de 2015 | 19h50

GENEBRA - Facções iemenitas concordaram, durante conversações de paz patrocinadas pelas Nações Unidas, sobre a necessidade de um cessar-fogo, mas os detalhes ainda estão em discussão, disse nesta terça-feira um delegado a par das discussões.

O enviado especial da ONU para o Iêmen, Ismail Ould Cheikh Ahmed, iniciou esforços diplomáticos em Genebra para tentar superar as diferenças entre várias facções políticas. Mas elas ainda recusam a se encontrar e cada uma marcou locais diferentes para as reuniões.  

A guerra civil do Iêmen foi iniciada após forças do grupo xiita Houthi, apoiadas pelo Irã, terem tomado a capital, Sanaa, em setembro, e avançado para o sul e leste do país, forçando o exílio do presidente Abd-Rabbu Mansur Hadi.

O conflito se agravou em março, quando uma aliança liderada pela Arábia Saudita iniciou ataques aéreos contra os houthis. Embora a guerra seja motivada por rivalidades locais, ela também reflete uma luta regional mais ampla entre a Arábia Saudita, muçulmana sunita, e o Irã, xiita. 

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon formalmente abriu as conversas de Genebra na segunda-feira, pedindo uma trégua humanitária no Iêmen, que já sofre de pobreza extrema e desemprego, a fim de coincidir com o começo do mês sagrado muçulmano do Ramadã. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmennegociaçõescessar-fogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.