Pashtuns dão ultimato para retirada do Taleban

Líderes tribais da etnia pashtun deram um ultimato aos dirigentes do Taleban para que abandonem em alguns dias seu principal reduto, a cidade de Kandahar, para evitar a continuidade dos bombardeios norte-americanos e um ataque das forças oposicionistas da Aliança do Norte, informou o canal de TV a cabo CNN. Do contrário, lutarão contra eles. O líder espiritual do movimento Taleban, mulá Mohammed Omar, ainda está no poder, mas promoveu uma reestruturação nos postos administrativos, segundo pashtuns que participam de um encontro de chefes dessa etnia no Paquistão. O embaixador taleban no Paquistão, Abdul Salam Zaeef, desmentiu que Omar tenha dado uma ordem de retirada na sexta-feira e declarou que a milícia defenderá Kandahar "até o último suspiro". Zaeef voltou hoje ao Afeganistão. Segundo a Associated Press, ele disse que Osama bin Laden saiu do Afeganistão com seus filhos e esposas e o Taleban não sabia para onde ele tinha ido. Horas depois, Zaeef afirmou a outros jornalistas que "apenas quis dizer que Bin Laden estava fora da área sob controle do Taleban". Funcionários norte-americanos garantiram não ter evidências de que ele saiu do país e a Aliança do Norte informou que "certamente" ele ainda está no Afeganistão. Não se sabe se o mulá Omar teria voltado atrás na ordem de retirada das tropas em 24 horas - anunciada sexta-feira pela agência afegã AIP, ligada ao Taleban - ou se nunca tomou essa decisão. Há relatos de que a milícia está dividida entre defender Kandahar e escapar para as montanhas. Fontes ligadas ao taleban disseram à CNN que Omar havia concordado na sexta-feira em retirar suas forças da cidade e os chefes tribais até já acertaram que, após a saída da milícia, os pashtuns mais velhos assumirão o poder. Um alto funcionário taleban, mulá Najibullah, confirmou hoje a morte do egípcio Mohammed Atef, lugar-tenente de Bin Laden, num bombardeio americano, esta semana. Atef era o chefe de planejamento militar e treinamento da organização terrorista Al-Qaeda. No norte, a aliança começou a atacar Kunduz, último feudo taleban na região, enquanto os EUA a bombardeavam. Em Jalalabad, chefes tribais reconduziram ao poder Haji Qadeer, governador que havia sido deposto pelo Taleban.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.