Passageiro com explosivos faz crescer vigilância em aeroportos

Aeroportos de todo o mundo entraram em alerta máximo desde domingo, forçando passageiros a tirarem os sapatos para serem submetidos ao raio X. A medida está relacionada com a detenção no sábado de um passageiro do vôo 63 (Paris-Miami) da American Air Lines, que levava explosivos no tênis.Nos Estados Unidos, soldados fortemente armados patrulham os aeroportos, num reforço para proteger as pessoas que regressam a suas casas para as festas de fim de ano. Os agentes ajoelham-se com detectores portáteis para inspecionar os sapatos dos passageiros. Os que despertam suspeitas acabam descalços por alguns minutos. No aeroporto nova-iorquino de La Guardia, milhares de pessoas tiveram de esperar pacientemente em longas filas pela inspeção.Na Ásia, as autoridades japonesas estudavam medidas adicionais de segurança para o movimentado aeroporto de Narita. Cingapura e Hong Kong não previam alterações nos esquemas.Na França, agentes recorrem a cães farejadores no aeroporto Charles de Gaulle para revistar os passageiros. Foi dali que partiu o vôo 63 com destino a Miami.IdentidadeJá não há mais dúvida quanto à identidade do passageiro que tentou detonar o "calçado-bomba". Richard Reid, de 28 anos é um cidadão britânico, nascido no país em 1973 - confirmou a Scotland Yard. Ele está detido em Boston sem direito a fiança.Na sexta-feira, Reid voltará ao tribunal para ouvir mais uma acusação: tentativa de atentado. Na segunda-feira, ele foi indiciado "por criar problemas para a tripulação e por agressão". O FBI continua investigando se ele agiu por conta própria ou tinha vínculos com grupos extremistas. Reid também está sendo submetido a observações por parte de psicólogos e psiquiatras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.