Passageiro é encontrado morto em avião nas Filipinas

Um passageiro filipino foi encontrado inconsciente nesta quarta-feira, dentro do banheiro de um avião da Gulf Air, voo 154, no qual viajava do Bahrein para as Filipinas. Quando a tripulação o encontrou, 15 minutos antes da aterrissagem, ainda tentou reanimá-lo, mas ele não resistiu, segundo informações de funcionários do aeroporto. Foi neste mesmo voo, em setembro, que uma mulher deu à luz uma criança. O bebê foi encontrado na lata de lixo do banheiro e salvo por médicos do aeroporto.

AE-AP, Agência Estado

20 de outubro de 2010 | 15h37

Nesta quarta-feira, a Gulf Air disse que o homem foi encontrado inconsciente, com uma corda ao redor do pescoço, em um dos banheiros da aeronave antes da aterrissagem. "A ressuscitação cardiopulmonar foi administrada imediatamente pelos tripulantes e continuou até que o avião pousou no Aeroporto Internacional de Manila, onde ele foi declarado morto pelas autoridades médicas", informou um comunicado da companhia aérea.

O homem, de 36 anos, parecia agitado durante o voo, de acordo com a polícia, que citou testemunhas. Ele havia trabalhado por três meses como eletricista em Abu Dhabi. Sua mulher e seus parentes haviam ido ao aeroporto para recebê-lo, disse o gerente do aeroporto, Octavio Lina. "Foi difícil dar a notícia para a família", disse Lina.

Bebê no avião

Em setembro, o bebê abandonado foi entregue ao serviço social. A polícia encontrou a mãe, que disse às autoridades que abandonou o menino por temer a reação do marido e da família. Ela disse que foi estuprada por seu empregador no Oriente Médio e que a mulher dele a forçou a voltar para casa. Sua história atraiu a atenção para os problemas enfrentados no exterior por muitos trabalhadores filipinos.

Um em cada dez filipinos trabalha no exterior para escapar da pobreza e do desemprego em seu país. Muitos atuam como empregados domésticos e em trabalhos de baixa qualificação no Oriente Médio.

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinasaviãopassageiromortobebê

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.