Passageiros são resgatados de cruzeiro encalhado na Antártida

Mais de 100 passageiros e tripulantes foram retirados nesta sexta-feira de um navio que fazia um cruzeiro de luxo pela Antártida e encalhou no dia anterior, durante uma viagem para observar focas, pinguins e baleias. Eles embarcaram em um navio chileno rumo à base chilena de Frei, na Antártida. O local tem uma pista de pouso e decolagem que os ajudará a sair de lá, informou a Marinha chilena em um comunicado. Entre os turistas do cruzeiro Ushuaia, havia 14 dinamarqueses, 12 norte-americanos, 11 australianos e 6 chineses, entre passageiros de outras partes do mundo, segundo a Marinha. Ninguém ficou ferido quando o navio atingiu uma rocha e encalhou a cerca de 300 quilômetros da Base Militar argentina de Marambio, na península Antártica, disseram a Marinha argentina e o capitão do navio. O capitão afirmou ainda que a tripulação tomou medidas para conter o vazamento de combustível, mas na sexta-feira a Marinha chilena afirmou que o combustível se espalhou por cerca de 1 quilômetro em volta do navio Ushuaia. O turismo de luxo cresceu na região a partir dos anos 1990. Dezenas de milhares de pessoas fazem cruzeiros durante o verão no Hemisfério Sul para ver animais e icebergs. Há um ano, mais de 150 tripulantes e passageiros, muitos deles idosos, escaparam ilesos quando seu navio atingiu uma geleira e afundou. No incidente, as pessoas tiveram de ficar em botes, numa temperatura congelante, por várias horas, antes de ser resgatadas. A Ushuaia é operada por uma empresa argentina, Expedições Antarapply. O site da empresa (www.antarapply.com/eng/index.php) diz que o navio foi construído pelo órgão norte-americano que administra os oceanos e atmosfera e foi reformado para virar um cruzeiro. (Por Simon Gardner)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.