Passagem de Rafah é reaberta aos palestinos em Gaza

A passagem fronteiriça de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, na fronteira com o Egito, foi reaberta nesta quarta-feira, pela segunda vez durante os últimos dias, e milhares de palestinos devem atravessar esse cruzamento durante o dia.A porta-voz da missão de observação da União Européia (UE) em Rafah, María Tellería, confirmou que a fronteira, a única controlada exclusivamente pela Autoridade Nacional Palestina (ANP), abriu suas portas às 8h30 (4h de Brasília).Tellería acrescentou que até 11h30 (7h de Brasília) tinhamentrado em Gaza 771 pessoas procedentes do Egito, enquanto outras 415 tinham saído do território palestino, número que considerou "muito grande".A porta-voz disse que há muita pressão para poder atravessar a passagem fronteiriça, pois entre 4.000 e 6.000 pessoas estão tentando sair da Faixa de Gaza através de Rafah, enquanto cerca de 3.000 pretendem entrar nesse território.Ela destacou que um dos objetivos principais para a passagem permanecer aberta nos próximos dias é facilitar o fluxo em massa de peregrinos a Meca.Sobre as informações indicando que o primeiro-ministro da ANP e líder do Hamas, Ismail Haniyeh, entre em Gaza pela passagem de Rafah nos próximos dias, após sua primeira viagem por países árabes da região, Tellería disse que, até o momento, não foi recebida nenhuma notificação oficial. No entanto, a porta-voz acrescentou que espera-se que Haniyeh possa retornar amanhã atravessando o posto fronteiriço. Segundo um acordo no ano passado entre israelenses e palestinos - com a mediação do Quarteto para o Oriente Médio (EUA, União Européia, Rússia e ONU) -, essa passagem requer a supervisão de observadores da UE, que na maioria das vezes não podem sequer chegar ao cruzamento.Desde a captura do soldado israelense Gilad Shalit por comandos palestinos, em 25 de junho, que estaria retido em Gaza, Israel impediu de forma quase ininterrupta a abertura da passagem, e só aceitou seu funcionamento em algumas ocasiões pontuais, devido a razões humanitárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.