Jose Alora Jr./Efe
Jose Alora Jr./Efe

Passagem de tufão Bopha deixa quase 300 mortos nas Filipinas

Agências locias de defesa civil reportam 284 mortes; cerca de 80 pessoas ficaram feridas e 319 estão desaparecidas

AE, Agência Estado

05 de dezembro de 2012 | 18h04

Pais abalados em busca de filhos desaparecidos examinavam uma fileira de corpos cobertos de lama e envoltos por folhas de bananeira enquanto sobreviventes secavam seus pertences nas calçadas um dia depois de um forte tufão ter provocado a morte de quase 300 pessoas no sul das Filipinas.

Autoridades locais temem que mais corpos apareçam à medida que a água baixe e os esforços de resgate se estendam a áreas ainda isoladas por enchentes, deslizamento de terra e queda de torres de comunicação.

Na província do Vale de Compostela - a mais atingida pelo tufão Bopha -, 151 mortes foram registradas desde que as chuvas e os ventos fortes da tempestade começaram a devastar a região na terça-feira. Entre as vítimas estão 78 aldeões e soldados que foram pegos em uma enchente que destruiu dois abrigos de emergência e um acampamento militar na cidade de Nova Batam, de acordo com uma porta-voz do governo.

No total, agências locais de defesa civil reportavam 284 mortes no sul das Filipinas, além de 14 em outras áreas afetadas pelo Bopha, um dos mais fortes tufões a atingir o país este ano. Cerca de 80 pessoas sobreviveram, mas ficaram feridas com as inundações em Nova Batam e 319 estão desaparecidas.

"Há famílias inteiras entre os desaparecidos registrados", disse a secretária de Interior Mar Roxas ao canal de televisão ABS-CBN. "Famílias inteiras foram arrastadas por enxurradas e deslizamentos."

Em Nova Batam, uma cidade rural de 45 mil habitantes, casas desabaram e árvores foram arrancadas pela raiz nesta quarta-feira, 5. Os corpos das vítimas estavam posicionados no chão, à vista da população, enquanto pessoas aflitas procuravam por familiares e amigos desaparecidos.

Alguns corpos apresentavam múltiplos ferimentos depois de terem sido arrastados. Um homem espirrava inseticida sobre os cadáveres para espantar os insetos que começavam a se acumular.

Um pai começou a chorar desesperadamente ao encontrar entre os mortos o corpo de seu filho. Perto dele, uma mãe saiu do local chorando sem ter conseguido encontrar os seus. "Tenho três filhos", ela repetia diante de um cinegrafista.

Numa maca improvisada, dois homens carregavam o corpo coberto de lama de uma menina não identificada. Em meio à tragédia, Dionisia Requinto, de 43 anos, declarava-se uma mulher de sorte. Ela, o marido e os oito filhos sobreviveram à passagem do tufão. "A água subiu muito rápido. Foi terrível. Achei que seria o nosso fim", relatou ela.

Também nesta quarta-feira, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho emitiu um apelo emergencial para arrecadar US$ 4,8 milhões para ajudar à população diretamente afetada pelo Bopha.

Com informações da AP

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinastufão bopha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.