AFP PHOTO / YAMIL LAGE
AFP PHOTO / YAMIL LAGE

Passagem do Irma por Cuba deixou 10 mortos

Informação foi divulgada pelo site Cubadebate, que reproduz um boletim da Defesa Civil do país; sete mortes aconteceram em Havana, sendo quatro homens e três mulheres

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 10h56
Atualizado 11 Setembro 2017 | 11h42

HAVANA - O fenômeno Irma - furacão que atingiu categoria 5 no fim de semana e foi rebaixado para tempestade tropical nesta segunda-feira, 11 - provocou 10 mortes em Cuba, anunciou o site Cubadebate, que reproduz um boletim da Defesa Civil do país.

"Depois da passagem do perigoso furacão Irma pelo território nacional, foram registradas até o momento a perda de 10 vidas humanas nos territórios de Havana, Matanzas, Camagüey e Ciego de Ávila", afirma o comunicado da Defesa Civil.

Sete mortes aconteceram em Havana, sendo quatro homens e três mulheres. Três homens, com idades entre 53 e 65 anos, morreram nas Províncias de Matanzas (oeste), Ciego de Avila (centro) e Camagüey (leste) no desabamento de suas casas.

Em Havana, um homem de 71 anos morreu eletrocutado após a queda de cabo de energia elétrica. Uma vítima de 77 anos morreu ao ser atingida por um poste derrubado pelo vento. Uma varanda do quarto andar de um prédio no bairro de Centro Havana caiu sobre um ônibus e matou duas mulheres de 27 anos.

Cuba foi atingida pelo Irma e registrou fortes inundações no litoral noroeste, "com ondas de entre 6 e 9 metros", informou o Instituto de Meteorologia cubano.

A água do mar, que atingiu o simbólico Malecón, avançou 500 metros na capital. Ao menos 1,5 milhão de moradores abandonaram suas casas na ilha, onde os ventos derrubaram árvores e postes de energia elétrica. As rajadas de vento superaram 150 km/h.

O aeroporto internacional José Martí de Havana não operará até o meio-dia de terça-feira. O consulado geral da Espanha em Havana também confirmou em sua conta no Twitter que as autoridades cubanas manterão o local fechado até o mesmo horário. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.