Jason Reed/REUTERS
Jason Reed/REUTERS

Passagens de voo para 'lugar nenhum' esgotam em 10 minutos na Austrália

Passageiros vão sobrevoar pontos turísticos da Austrália durante sete horas em voo que tem como origem e destino o mesmo local

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2020 | 04h28

SYDNEY - A companhia aérea Qantas vendeu nesta quinta-feira, 17, em apenas 10 minutos, todos os lugares de um "voo para nenhum lugar" que sobrevoará alguns dos principais pontos turísticos da Austrália durante sete horas no dia 10 de outubro. A iniciativa é uma resposta a restrições impostas às rotas domésticas e internacionais para conter a disseminação do novo coronavírus.

Voo que tem como origem e destino a cidade de Sydney vai sobrevoar locais como as Ilhas Whitsundays e a Grande Barreira de Recifes.  

O voo em um avião Boeing 787 Dreamliner, usado normalmente em rotas internacionais, permite fazer uma viagem sem que o passageiro precise realizar a quarentena de 14 dias imposta a pessoas que residem nos chamados "focos de covid-19" quando viajam a outro estado.

As passagens para este voo, que conta com menu gastronômico do famoso chef australiano Neil Perry, foram vendidas entre U$ 572 e U$ 2.754 dólares e esgotaram em 10 minutos.

O voo é "provavelmente o que esgotou mais rápido na história da Qantas", disse uma porta-voz à agência EFE. A empresa também decidiu retomar a partir de novembro os trajetos de 12 horas para sobrevoar a Antártida que já oferecia antes da pandemia como medida para amenizar os efeitos econômicos da covid-19.  

No fim de agosto, a empresa anunciou que estudava terceirizar seus serviços terrestres devido ao impacto da pandemia em suas operações, o que poderia levar a Qantas a eliminar outros 2.500 postos de trabalho. Estes cortes se somariam à redução de 6 mil empregos que a maior companhia aérea da Austrália anunciou no mês de junho como parte de um plano de reestruturação econômica./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.