Passeata contra Chávez não tentará chegar ao palácio

Uma grande passeata promovida pela oposição avançava, ao meio-dia local, até a Plaza Venezuela, no centro de Caracas, para exigir a renúncia do presidente Hugo Chávez e eleições antecipadas. "Esta mobilização vai até a Plaza Venezuela e ponto final. Não vai a nenhum outro lugar", garantiu o oposicionista Henrique Capriles, administrador distrito de Baruta. Capriles fez a declaração para responder a insistentes versões de que a passeata seria desviada na última hora para o palácio presidencial de Miraflores. Forças de segurança leais a Chávez já avisaram que não permitiriam um cerco ao palácio. Os venezuelanos convivem com os fantasmas dos acontecimentos de abril, quando uma passeata opositora foi desviada na última hora para o palácio presidencial e terminou com a morte de 19 civis e um fugaz golpe de Estado. Todos as emissoras privadas de rádio e tevê, alinhadas contra Chávez, transmitem - como de costume - por horas, e sem intervalos comerciais, o desenrolar da passeata. Os organizadores esperam reunir 2 milhões de manifestantes no protesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.