Passeata reúne milhares de simpatizantes do Hamas

Dezenas de milhares de simpatizantes do Movimento de Resistência Islâmico (Hamas) marcharam pelo norte da Faixa de Gaza na tarde desta sexta-feira. A intenção da passeata era mostrar apoio ao grupo, uma vez que as tentativas de criar um governo de união nacional parecem ter estagnado.O Hamas, que venceu as eleições parlamentares palestinas em janeiro, perdeu popularidade nos últimos meses, depois que sanções internacionais contra o governo e ofensivas israelenses em Gaza pioraram a situação de miséria da população.Nesta sexta, milhares de pessoas caminharam pela cidade de Jebaliya, ao norte da Faixa de Gaza, usando chapéus verdes do Hamas e balançando bandeiras do Movimento de Resistência Islâmico. Uma delas trazia a inscrição: "Sim para o nosso governo, não para todas as tentativas mercenárias de sabotá-lo". O legislador do Hamas Mushir al-Masri disse aos repórteres que "o objetivo dessa manifestação é mandar uma mensagem para o mundo de que o povo palestino apóia seu governo eleito. O povo rejeita todos os esforços para se criar um golpe interno contra esse governo".Depois da vitória do Hamas para o parlamento, países do ocidente e Israel cancelaram as ajudas financeiras ao governo palestino, em uma tentativa de fazer o grupo reconhecer Israel, abandonar a violência e respeitar acordos prévios assinados com os israelenses.O fim da ajuda estrangeira fez com que a Autoridade Palestina deixasse de pagar salários inteiros aos seus 165 mil empregados durante seis meses. Em resposta, servidores públicos entraram em greve e pediram a resignação do Hamas.A situação dos palestinos piorou depois que militantes ligados ao Hamas atacaram um posto do exército israelense em 25 de junho, capturando um soldado. Israel revidou com uma forte ofensiva.A fim de acabar com o embargo econômico, oficiais do Hamas tentaram formar uma coalizão com o presidente palestino Mahmoud Abbas. O acordo, no entanto, não deu certo por causa da recusa do Hamas em reconhecer Israel. Masri disse que o Hamas continua comprometido em formar a coalizão. "Nós vamos em frente com o presidente, por que não temos escolha." Também nesta sexta, soldados israelenses mataram dois adolescentes palestinos no norte da Faixa de Gaza. O ataque aconteceu em um campo próximo à cidade de Beit Hanoun, que costuma ser usado como base de preparação para ataques com foguetes. Funcionários de um hospital palestino disseram que os dois garotos, Anwar Hamdan, de 16 anos, e Hamam Hamdan, de 14, estavam inspecionando bases de lançamento de foguetes em bicicletas quando foram mortos.Nos últimos meses, grupos militantes palestinos têm mandado crianças coletarem lançadores de foguetes, acreditando que elas teriam menos chances de serem atacadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.