Pastor diz que não queimará Alcorão se tiver encontro

O pastor americano Terry Jones, líder de uma pequena igreja na Flórida que propôs queimar exemplares do Alcorão, voltou a dizer hoje que desistiu dessa ideia com a condição de que possa se encontrar amanhã com os organizadores do projeto para instalar um centro islâmico perto do local onde ficavam as Torres Gêmeas, em Nova York. Em entrevista à emissora NBC, Jones disse que, se ele se reunir com o imã (ministro da religião muçulmana) de Nova York, não queimará o livro sagrado muçulmano.

AE-AP, Agência Estado

10 de setembro de 2010 | 09h53

Não ficou claro, porém, se o pastor não pretende queimar o Alcorão nunca mais, ou se a suspensão vale apenas para este sábado. O imã Muhammad Musri, presidente da Sociedade Islâmica do Centro da Flórida, disse à emissora CBS ter se comprometido com Jones com um encontro entre os dois e o imã de Nova York.

Líderes políticos dos Estados Unidos e autoridades muçulmanas de todo o mundo condenaram a intenção do pastor de queimar exemplares do Alcorão. Ontem, ele disse que desistira de seu plano, mas depois afirmou que poderia voltar atrás. Jones chegou a dizer que não iria mais queimar o livro sagrado, pois líderes muçulmanos tinham se comprometido em desistir de construir o centro muçulmano perto do local onde ficavam as Torres Gêmeas, mas esses líderes, quando consultados, negaram haver qualquer acordo nesse sentido.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAlcorãoqueimacondiçãopastor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.