Pastor transforma loja de bebidas em café 'livre de álcool'

Filho de porto-riquenhos, religioso atraiu fiéis e viu sua influência crescer ao mudar a cara do bairro, dominado por gangues

CHICAGO, EUA, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2013 | 02h08

Enquanto a nova sede não fica pronta, os fiéis da New Life Covenant se encontram provisoriamente na escola Roberto Clemente High School. Em poucos minutos, mais de 600 pessoas lotam o auditório alugado. Como não havia lugar maior, o pastor Wilfredo "Choco" de Jesus emenda quatro cultos consecutivos às 8h, 9h30, 11h e 12h45. Ao final do último, o vozeirão em tom grave lhe falta e ele tem a camisa encharcada em suor.

Ventiladores ligados e água mineral estão à sua espera em uma sala nos bastidores do palco, onde descansa por 10 minutos entre um culto e outro.

"O que levantou a igreja hispânica foi nosso engajamento com a comunidade e com os poderes", disse ao Estado o pastor de 48 anos, misturando inglês e espanhol. "Temos de estar engajados para garantir justiça ao povo. Mas por 40 anos a igreja evangélica ficou em silêncio, porque acreditamos em uma mentira: na separação da igreja e do Estado. Agora uma nova geração de latinos evangélicos está surgindo e nós sabemos que podemos operar em ambos."

No início do ano, o pastor passava por uma parte deteriorada do bairro, quando viu uma briga entre gangues de jovens que saíam de uma loja de bebidas. Comprou o local e transformou em um renovado café "alcohol free" (livre de álcool) - o único na região. Atrás do balcão estão mães solteiras, ex-viciadas e ex-prostitutas que a igreja de Wilfredo abriga em quatro casas.

Os projetos transformaram o bairro onde o filho de imigrantes porto-riquenhos nasceu e cresceu. Foi o alcoolismo do pai, católico, que o levou a procurar outro caminho e nova fé.

Choco comprou uma fazenda no interior de Illinois para tratamento de viciados. Como muitas igrejas latinas, a New Life Convenant explodiu precisamente ao oferecer serviços a uma parcela da população que se sentia excluída, principalmente imigrantes. E não apenas os latinos.

Em 2010, Choco se candidatou à Prefeitura de Chicago. "Não entrei para ganhar. Mas para inspirar jovens a se candidatar. Precisamos de gente em todas as esferas", diz. / A.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.