Pastrana pode ter feito oferta secreta às Farc

O presidente da Colômbia, Andrés Pastrana, pode ter apresentado uma oferta secreta às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para trocar guerrilheiros presos por dirigentes políticos seqüestrados, segundo a imprensa local. "Nós não fazemos acordos secretos. Vocês sabem que há muitos meses estamos discutindo algumas possibilidades para isso?, disse Pastrana. Segundo o presidente, o importante é saber se as Farc estão ou não dispostas a libertar todos os seqüestrados no país. ?Há vontade por parte do governo e há vontade por parte dos colombianos de estudar alternativas. Agora esperamos uma resposta das Farc", acrescentou o mandatário. A primeira página da edição de hoje do jornal El Tiempo diz que o governo tem intenção de libertar 40 rebeldes em troca de várias personalidades que as Farc mantêm em seu poder - entre elas a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, o governador de Antioquia, Guillermo Gaviria, dois ex-ministros, cinco ex-congressistas, 12 deputados provinciais e 47 oficiais da força pública. As Farc já teriam recebido a proposta secreta por meio de emissários, na qual estaria incluída a condição de que os guerrilheiros libertados fossem transferidos para um local indicado pela organização, ou para o exterior. Segundo o semanário El Espectador, os rebeldes que poderiam ser favorecidos com o intercâmbio são os que não cometeram crime de lesa humanidade - ou seja, os que respondem apenas por delito de rebelião -, ou os que têm problemas de saúde. O ex-membro da Comissão de Notáveis, que colaborou no processo de paz, e diretor do semanário comunista Voz, Carlos Lozano, confirmou ao El Espectador que "a proposta existe". Apesar de restarem apenas sete dias para Pastrana deixar o poder, o governo insistiu que trabalhará até o último minuto para libertar todos os reféns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.