Pastrana quer Plano Colômbia em outros países

O presidente Andrés Pastrana anunciou hoje que proporá ao presidente dos EUA, George W. Bush, a extensão da ajuda social do Plano Colômbia a outros países do hemisfério. "Vou (a Washington) em busca de acordos comerciais que nos permitam avançar em preferências para a Colômbia e um plano para ajudar a região, que não se identifique com o Plano Colômiba, mas vá mais além", disse Pastrana em entrevista à imprensa. O mandatário se reunirá com Bush na próxima terça-feira.O Plano Colômbia visa erradicar os 120 mil hectares de plantações de coca e de papoula em território colombiano, simultaneamente à execução de programas de desenvolvimento econômico e social que permitam a incorporação dos camponeses que atualmente vivem do plantio de drogas à economia legal. Os investimentos previstos são da ordem de US$ 7,5 bilhões em cinco anos. Desse total, os EUA entrarão com US$ 1,3 bilhão, em sua maior parte para o esforço militar destinado a combater o narcotráfico nas zonas controladas pela guerrilha e pelos paramilitares. O mandatário disse, porém, que dentro do Plano Colômbia não pedirá mais ajudar militar. "O que queremos é mais investimento social", disse. Em sua visita a Washington, Pastrana espera obter "um acordo com os EUA" para ampliar e fortalecer o ATPA - o sistema de preferências tarifárias outorgado aos países andinos para compensar os custos de sua luta contra o narcotráfico. O programa termina em 4 de dezembro e, se não for prorrogado, prejudicará os interesses comerciais de Bolívia, Peru e Equador, além da Colômbia. O governante colombiano também disse que pedirá a Bush que antecipe em dois anos, para 2003, o início da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), para que os países do hemisfério tenham maiores oportunidades de comércio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.