Patriota apoia palestinos como observadores na ONU

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, manifestou ontem em Ramallah, na Cisjordânia, apoio aos palestinos em seu pedido de reconhecimento enquanto Estado observador na ONU, na primeira viagem ao território ocupado por Israel realizada por um chanceler do Brasil desde dezembro de 2010, quando o governo de Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu o território como Estado palestino.

RAMALLAH, CISJORDÂNIA, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2012 | 08h22

"Somos conscientes que podem ser abertas novas oportunidades para a Palestina se relacionar com a comunidade internacional, que (os palestinos) podem melhorar seu poder negociador nessa situação tão complexa (a conversa de paz com Israel)", disse Patriota após se reunir com o chanceler palestino, Riad Maliki, afirmando que a representação palestina "é a parte mais fraca".

Patriota afirmou que a nova iniciativa dos palestinos nas Nações Unidas "carrega certo grau de incerteza", lembrando que a presidente Dilma Rousseff foi favorável à anterior e fracassada tentativa palestina de obter reconhecimento na ONU como membro pleno da entidade, ocorrida em setembro de 2011. Segundo fontes oficiais palestinas, o presidente da AP, Mahmoud Abbas, deve apresentar o novo pedido de reconhecimento em 29 de novembro, Dia Internacional em Solidariedade aos Palestinos.

Patriota encontrou-se ainda com o premiê palestino, Salam Fayyad, o negociador-chefe da AP, Saeb Erekat, e o presidente Abbas, com quem visitou o mausoléu de Yasser Arafat. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.