Paulson destaca esforço chinês na área ambiental

O secretário do Tesouro dosEUA, Henry Paulson, viu pessoalmente na segunda-feira osesforços feitos para reverter a degradação ambiental ao redordo maior lago do interior da China, desviando por um dia asatenções do embate monetário com o país asiático. "As mudanças climáticas são uma questão muito importanteneste país. E são muito importante globalmente e nos EUA",afirmou Paulson a repórteres durante sua visita ao lagoQinghai, que está encolhendo devido ao aumento dastemperaturas. "Ao vir até aqui, chamo atenção para o que a China vemfazendo do ponto de vista ambiental e dou força ao que elesestão fazendo." Paulson, um ambientalista de longa data que presidiu ogrupo The Nature Conservancy, disse ter ficado impressionadocom o programa custeado pelo governo chinês. O programa tenta recuperar áreas perdidas para adesertificação por meio do plantio de vegetação em dunas deareia e em áreas antes usadas para cultivo agrícola. Segundo Paulson, o lago Qinghai e as geleiras do platôtibetano são importantes para o clima global porque oencolhimento do lago e o derretimento das geleiras poderiamalterar de forma permanente as correntes de ar, provocandofenômenos climáticos violentos em outros continentes. De forma semelhante, um aumento na emissão de carbono emoutros pontos pode acelerar a degradação do lago. A parte mais difícil da visita de Paulson à Chinaacontecerá em Pequim, onde o secretário se reunirá com ovice-primeiro-ministro chinês, Wu Yi, e com o presidente doBanco Central do país, Zhou Xiaochuan, na terça-feira. No diaseguinte, Paulson encontra-se com o presidente da China, HuJintao. Segundo o secretário norte-americano, a viagem servirá parapressionar, novamente, pela rápida desvalorização do iuan e poroutras reformas, tais como reequilibrar a economia chinesa,afastando-a de sua dependência das exportações e aproximando-ado consumo interno, e aumentar o acesso de instituiçõesestrangeiras ao setor financeiro do país. A viagem de Paulson acontece no momento em que oscongressistas norte-americanos, frustrados com a falta deprogresso nos esforços para reduzir o déficit comercial dos EUAcom a China, aprovam leis para pressionar a China a permitirque o valor do iuan seja fixado pelo mercado. O secretário do Tesouro afirmou estar preocupado com essasleis e argumentou que se tratava de uma estratégia errônea.Paulson disse preferir o diálogo como forma de atingir aquelasmetas. Mas ressaltou compreender os motivos dos congressistas ea frustração dos norte-americanos em vista do desequilíbrio nabalança comercial. "Não quero que a China se transforme em um problemapolítico cada vez maior nos EUA", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.