Paz é tema das celebrações do Natal ortodoxo

A celebração do Natal pelos cristãos ortodoxos - que comemoram o Natal de acordo com o calendário juliano - representou mais uma oportunidade para novos apelos pela paz mundial. Na Iugoslávia, a missa foi celebrada pelo sacerdote sérvio Pavle na catedral de Sava e assistida por milhares de fiéis. O sacerdote disse que o toque dos sinos era um chamado para ?a volta ao caminho da paz mostrado pelo salvador, a estrada da reconciliação e da harmonia entre sérvios em todos os lugares?. Em Kosovo, na ex-Iugoslávia, onde as forças de paz da Otan reforçaram a segurança depois da morte de um sérvio durante a explosão de uma granada, ontem, o líder da organização na região, Marcel Valentin, condenou a ?violência interétnica? e pediu a restauração da calma durante o Natal. As forças de paz ?abominam essas ações cruéis e covardes?, afirmou Slaven. Dezenas de sérvios foram assassinados e milhares fugiram de Kosovo com medo de ataques promovidos pelos albaneses depois que a Otan passou a controlar a região, em 1999. Na cidade cisjordaniana de Belém, em Israel, local do nascimento de Jesus, as comemorações do Natal ortodoxo também foram marcadas por conflitos. A Igreja da Natividade estava com menos da metade da lotação porque peregrinos e turistas estão se afastando de Israel desde o início da atual onda de ataques entre palestinos e israelenses, que já dura 15 meses. A tradicional missa do Galo, celebrada pelo sacerdote ortodoxo grego Eireneos I, teve uma audiência reduzida. ?Deus, dê paz à nossa terra?, rezavam os fiéis. Assim como nas comemorações do Natal cristão, um lugar vazio foi reservado na igreja para o líder palestino Yasser Arafat, que foi impedido de comparecer à celebração pelas autoridades israelenses. Arafat está confinado em Ramallah.

Agencia Estado,

07 Janeiro 2002 | 09h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.