Paz na Colômbia será discutida em reunião em Londres

O conflito armado que castiga a Colômbia há 39 anos deve ser resolvido através de negociações e não mais com violência, disse nesta terça-feira um funcionário britânico ao anunciar uma reunião de representantes colombianos e de outras nacionalidades, entre os quais alguns da ONU, da UE e dos EUA.O subsecretário britânico de Relações Exteriores, Bill Rammell, disse que o vice-presidente colombiano, Francisco Santos, e a chanceler, Carolina Barco, se reunirão em Londres com funcionários das Nações Unidas, da União Européia, dos EUA e de outras nações lantino-americanas na quinta-feira.?Ambos os lados estão cometendo enormes atrocidades e é por isso que temos de fazer todo o possível para resolver a questão?, disse o subsecretário, referindo-se aos combates na Colômbia entre as forças do governo, os rebeldes esquerdistas e as forças paramilitares direitistas, que matam em média 3.500 civis por ano no país. ?Oitenta por cento da cocaína no mundo vem da Colômbia?, disse aos jornalistas. ?O terrorismo, a insurgência política e o tráfico de drogas estão vinculados?, acrescentou.?Parece-me que os dias em que as ações dos grupos guerrilheiros ou paramilitares estavam associadas com uma ideologia já passaram há muito tempo e agora é principalmente o tráfico de drogas que rege o conflito?, afirmou o subsecretário. Os principais atores da guerra civil são dois grupos isurgentes, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o Exército de Libertação Nacional (ELN), as paramilitares Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) e as tropas do governo do presidente Alvaro Uribe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.