PdVSA pressiona Chávez para antecipar referendo

Os executivos da companhia estatal Petróleos de Venezuela SA (PdVSA) prometeram manter as restrições sobre as exportações de petróleo do país até que o presidente Hugo Chávez antecipe o referendo sobre sua liderança. Mais de mil executivos promoveram uma passeata barulhenta em Caracas gritando "liberdade". "Essa é uma luta de pessoas que clamam por liberdade", disse Timoteo Zembrano, representante dos setores de oposição ao governo nas negociações promovidas pela Organização dos Estados Americanos. "A comunidade internacional não pode pedir o impossível - o fim da greve e a retomada das exportações de petróleo", acrescentou. Diversas marchas de oposição estavam marcadas para hoje na capital do país. A companhia estatal informou que enviou 300 mil barris de gasolina de sua refinaria Cardon para o centro de distribuição de combustíveis de Carenero. A PdVSA também exportou hoje 400 mil barris de petróleo cru do porto de Maracaibo. Segundo a petrolífera, foram exportados dois milhões de barris em todo o mês de dezembro até agora, em comparação com a média diária normal de 2,5 milhões de barris. Ao menos cerca de 30 mil a 40 mil funcionários da empresa estão em greve.

Agencia Estado,

26 Dezembro 2002 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.