AFP PHOTO / YANNICK PITON
AFP PHOTO / YANNICK PITON

Peça achada no Índico pode ser do avião desaparecido da Malaysia

Ela pode pertencer ao avião da Malaysia Airlines desapareceu no dia 8 de março de 2014 após mudar de direção em uma 'ação deliberada' 40 minutos depois de ter decolado de Kuala Lumpur com direção a Pequim

O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2015 | 18h30

NAIRÓBI - As autoridades da Ilha Reunião investigam a origem de uma peça da asa de um avião encontrada nesta quarta-feira, 29, em seu litoral para determinar se poderia pertencer ao voo MH370 da Malaysia Airlines, cujo desaparecimento em março do ano passado ainda é um mistério.

A peça mede 2 metros de comprimento e 1 metro de largura, dimensões reduzidas que podem não pertencer a um avião de grande envergadura como o da Malaysia Airlines, um Boeing 777-200.

Segundo o especialista em segurança, Xavier Tytelman, citado pelo jornal local Linfo, não se trata de um grande avião, razão pela qual não se acredita que sejam partes dessa aeronave.

A peça da fuselagem foi achada no começo da manhã por funcionários municipais e, por seu estado de deterioração, teria sido arrastada rumo à costa após ter permanecido durante muito tempo no mar.

A Brigada de Transporte Aéreo de Reunião transmitirá todos os dados coletados sobre esta peça a Paris para determinar sua procedência. "Atualmente, nos concentramos em determinar a que tipo de aeronave corresponde esta peça", indicaram fontes policiais ao portal de notícias Zinfos974.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu no dia 8 de março de 2014 após mudar de direção em uma "ação deliberada", segundo os analistas, apenas 40 minutos depois de ter decolado de Kuala Lumpur com direção a Pequim. Aparentemente, alguém desligou os sistemas de comunicação.

Na aeronave viajavam 153 chineses, 50 malaios (12 formavam a tripulação), 7 indonésios, 6 australianos, 5 indianos, 4 franceses, 3 americanos, 2 neozelandeses, 2 ucranianos, 2 canadenses, 1 russo, 1 holandês, 1 taiwanês e 2 iranianos.

Os destroços descobertos hoje foram achados nas proximidades da Ilha Reunião, um departamento de ultramar da França no Oceano Índico. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.