Pedido de reformas é dirigido a Arafat

Yasser Arafat deve esforçar-se para tornar a Autoridade Palestina (AP) mais democrática, a fim de reforçar o processo de paz no Oriente Médio, declarou nesta terça-feira o secretário de Relações Exteriores britânico, Jack Straw, antes do início de uma conferência internacional sobre questões palestinas. O conselho do chanceler britânico ao líder palestino foi formulado pouco antes de inaugurar uma conferência internacional de um dia sobre o tema palestino na sede da Chancelaria. O evento ocorre apesar da proibição do governo israelense de que os funcionários palestinos viajem para o exterior, estabelecida em resposta a um cruento ataque terrorista palestino que deixou cerca de 20 mortos em Tel-Aviv.Participam do encontro delegados dos EUA, das Nações Unidas, da União Européia, Jordânia, Egito e Arábia Saudita para analisar a reforma da AP. Israel não foi convidado. O Egito está representado por seu diretor de inteligência, Omar Suleiman. Quase todos os representantes palestinos falarão através de conexões de teleconferência a partir de seus respectivos territórios.O subsecretário de Estado americano William Burns, que chefia a seção de Oriente Médio do Departamento de Estado, representará os EUA. O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, proibiu os palestinos de viajarem para a conferência em represália a umduplo ataque suicida palestino em Tel-Aviv que matou há poucotempo 22 transeuntes. OS EUA apoiaram a conferênca patrocinada pela Grã-Bretanha e se opuseram à decisão israelense de impedir que uma delegação palestina assistisse ao encontro. Israel controla o deslocamento dos palestinos para o exterior. Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado Richard Boucher disse que a conferência tem por objetivo colocar em prática a "visão de dois Estados, Israel e Palestina, vivendo juntos em paz e estabilidade" que, de acordo com o porta-voz, é a visão do presidente.Em uma entrevista para a BBC, Straw admitiu que a proibição contra a delegação palestina não ajudava, mas insistiu em que não se deveria desviar a atenção do tema principal da conferência. Acrescentou que entre os pontos principais estão a reforma do setor financeiro da AP e temas constitucionais, como a criação do cargo de primeiro-ministro, um gabinete, um conselho legislativo devidamente constituído e um sistema judiciário independente. Straw disse que outro objetivo da conferência é apressar o momento para uma reforma interna nos territórios da AP - Cisjordânia e Faixa de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.