WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Pedidos de refúgio de venezuelanos no Brasil dobraram em seis meses

Segundo dados divulgados nesta segunda-feira, o número de solicitações chegou a 35.540 no primeiro semestre deste ano

O Estado de S.Paulo

16 Julho 2018 | 21h56

BRASÍLIA - O número de solicitações de refúgio de venezuelanos no Brasil aumentou de 17.865 para 35.540 no primeiro semestre de 2018, o que representa um crescimento de 98%, segundo cifras oficiais divulgadas nesta segunda-feira (16).

No total, 56.740 venezuelanos buscaram formas de legalizar a sua situação no Brasil. Além dos pedidos de refúgio, outros 11.100 solicitaram residência temporária, enquanto 10.100 agendaram um encontro para se regularizar ante a Polícia Federal, encarregada dos trâmites migratórios.

Estima-se que nos dois últimos anos 1,5 milhão de venezuelanos tenham abandonado seu país, afundado em uma crise política e econômica, agravada pela falta de serviços básicos, de alimentos e remédios, e dos altos índices de violência e inflação.

Os números de Brasília apontam que entre 2017 e 2018, 127.778 venezuelanos entraram no país pela fronteira terrestre. Do total, 68.968 pessoas foram para outros países, a maioria por estradas.

O explosivo aumento da migração venezuelana gerou uma situação delicada em Roraima, estado fronteiriço no norte do país. Apesar do fluxo ter começado a crescer em 2015, foi apenas neste ano que Brasília designou uma força-tarefa integrada pelas Forças Armadas e por representantes do Executivo para lidar com a situação.

+ Maduro usa três rivais para legitimar votação

Mais de 4.000 venezuelanos vivem em 9 abrigos distribuídos entre Boa Vista, capital do estado, e Pacaraima, pequena cidade fronteiriça.

Outros 690 foram levados para diferentes cidades do Brasil como parte de um programa para desocupar Boa Vista e Pacaraima, onde calcula-se que haja 30.000 venezuelanos. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.