Pego com mulheres, Berlusconi volta a causar polêmica

Poucos meses após a crise matrimonial de Silvio Berlusconi ter chegado às manchetes, a vida pessoal do ex-primeiro-ministro italiano voltou a ganhar as capas de jornais nesta quarta-feira, 18, após uma revista ter publicado fotos dele com mulheres mais jovens.Fotos tiradas por paparazzi mostram o homem mais rico da Itália segurando as mãos de jovens, que também sentaram em seu colo, durante o feriado de Páscoa, na vila do magnata na Sardenha. As imagens serão estampadas na capa da revista Oggi, e foram antecipadas por alguns jornais.O político italiano viveu recentemente uma discussão pública com sua mulher e teve de se retratar após paquerar uma famosa apresentadora de TV país.O advogado de Berlusconi, Niccolo Ghedini, disse que as fotos foram tiradas ilegalmente por transeuntes durante uma solenidade com muitos homens, e que fora de foco estavam outros convidados e funcionários. Ele ameaçou processar a publicação.Os apoiadores de Berlusconi disseram que as fotos não eram nada chocantes e não justificavam a manchete da revista: "O Harém de Berlusconi". "Isso é apenas a história de uma pequena vingança política", escreveu o diário Il Giornale, que pertence à família de Berlusconi.Para o jornal, trata-se de uma campanha para prejudicar o magnata. No mês passado, a Oggi recusou-se a publicar fotos do porta-voz do atual premiê Romano Prodi, Silvio Sircana, falando com uma prostituta transexual.Estas fotos mais tarde acabaram publicadas em alguns jornais. Sircana as chamou de "um momento de curiosidade idiota". A mulher de Berlusconi, Veronica, 20 anos mais nova, não comentou as fotos publicadas na Oggi.Em janeiro, ela escreveu uma carta aberta a um jornal exigindo desculpas públicas de Berlusconi por fazer comentários machistas a mulheres mais jovens. Foram frases como "Se eu não fosse casado, casaria com você agora mesmo" e "com você eu vou a qualquer lugar". O ex-premiê respondeu à sua mulher se desculpando publicamente em uma carta. "Por favor, me desculpe", dizia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.