Damir Sagolj / Reuters
Damir Sagolj / Reuters

Pela 1ª vez, Japão reconhece morte de funcionário de Fukushima por exposição à radiação

Homem de 50 anos encarregado de medir a radiação na usina após o desastre desenvolveu câncer de pulmão

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 07h44

TÓQUIO - O Japão anunciou pela primeira vez que um trabalhador da usina nuclear de Fukushima morreu após ser exposto à radiação, informou a imprensa japonesa.

O homem de 50 anos desenvolveu câncer de pulmão depois de participar no trabalho de emergência na usina, entre março e dezembro de 2011, após o devastador tsunami.

O governo japonês pagou indenização em quatro casos anteriores em que os trabalhadores desenvolveram câncer após o desastre, de acordo com a agência de notícias Jiji. No entanto, esta é a primeira vez que Tóquio reconhece uma morte relacionada à exposição à radiação na usina, informou o jornal Mainichi.

A publicação acrescentou que o homem trabalhou principalmente na usina nuclear número 1 de Fukushima e em outras centrais nucleares no país entre 1980 e 2015. Após o desastre, ele foi encarregado de medir a radiação na usina e, embora tenha usado uma máscara facial completa e um traje de proteção, desenvolveu câncer de pulmão em fevereiro de 2016.

Reveja: Japão relembra tragédia de Fukushima

O tsunami de março de 2011, desencadeado por um enorme terremoto submarino, matou cerca de 18 mil pessoas e inundou a usina nuclear de Fukushima, o que provocou o colapso de seus reatores e levou ao pior desastre nuclear do mundo desde Chernobyl. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.