Pela 1ª vez, João Paulo II não visitará presépio dos lixeiros

Pela primeira vez desde que assumiu seu pontificado, o papa João Paulo II deixará de visitar o presépio dos coletores de lixo, que há 30 anos é construído para o Natal na sede da empresa de limpeza pública, a poucos metros do Vaticano. Serão os lixeiros que irão ver o papa, que os receberá em 5 de janeiro. A tradicional visita ao presépio dos lixeiros nasceu de um encontro do então cardeal Karol Wojtyla com o criador da tradição do presépio da Porta Cavallegeri e que o construía a cada ano, Giuseppe Iani. Iani pediu ao cardeal se poderia celebrar o matrimônio de sua filha Vittoria, e Wojtyla concordou em fazê-lo. Mas, antes de celebrar a boda, o cardeal polonês se tornou papa. Mesmo assim celebrou o casamento, em 25 de fevereiro de 1979, na Capela Paolina do Vaticano. As visitas ao presépio se transformaram numa oportunidade para que João Paulo se reunisse com os diferentes prefeitos da capital italiana. Nos últimos meses, porém, as saídas do pontífice do Vaticano se tornaram cada vez menos freqüentes, em razão de seu estado de saúde. O papa não quis renunciar à visita de 8 de dezembro à Imaculada Conceição - uma das poucas efetuadas em Roma, cidade da qual foi nomeado cidadão honorário. Em 14 de dezembro também havia feito uma visita histórica ao Parlamento italiano. Em linhas gerais, o papa não tem outras saída previstas do Vaticano até as festas de Natal.

Agencia Estado,

09 Dezembro 2002 | 16h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.