Ronen Zvulun/Reuters
Ronen Zvulun/Reuters

Pela primeira vez em dez meses, Israel não registra mortes por covid-19

Número de mortos permaneceu em 6.346 em um momento que o país se aproxima da marca de 60% de sua população vacinada

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2021 | 12h05

JERUSALÉM - Pela primeira vez em dez meses, Israel teve um dia sem registro de mortes por coronavírus em 24 horas, como mostraram os dados divulgados pelo Ministério da Saúde na sexta-feira, 23. A última vez que o país não registrou mortes por covid-19, segundo o jornal Times of Israel, foi em 29 de junho.

O número de mortos permaneceu em 6.346 em um momento que o país se aproxima da marca de 60% de sua população vacinada. O país registrou 837.870 infecções confirmadas desde o início da pandemia.

O ministério informou que, dos 35.027 testes realizados na quinta-feira, 129 tiveram resultados positivos, uma  taxa de 0,4 por cento. O número de infecções ativas caiu ainda para 1.897, com 160 pacientes em estado grave, incluindo 97 em respiradores.  

O país tem registrado uma queda acentuada nas taxas de mortalidade e infecções diárias desde o pico da pandemia, no fim de janeiro, à medida que segue com sua campanha de vacinação, uma das mais avançadas do mundo. 

Na quinta-feira, segundo o Ministério da Saúde, Israel ultrapassou a marca de mais de 5 milhões de pessoas (cerca de 54% da população) que receberam as duas doses da vacina contra a covid-19 - a campanha no país administra o imunizante americano e alemão Pfizer-BioNtech. Segundo um levantamento da Bloomberg, pelo menos 59% da população elegível - acima de 16 anos - recebeu ao menos uma dose da vacina.  

De acordo com o Times of Israel, o país está se preparando para começar a vacinar crianças entre 12 e 15 anos assim que a agência reguladora americana FDA aprovar o uso da vacina para esta faixa etária. 

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Chezy Levi, disse na quinta-feira que uma vez que essa faixa etária tenha sido vacinada, o país alcançará a imunidade coletiva e não haverá necessidade de inocular crianças mais novas, segundo informou a emissora pública Kan.

Também na quinta-feira, o Ministério da Saúde emitiu um alerta de viagem para Brasil e mais seis países com altos casos de infecções (Ucrânia, Etiópia, África do Sul, Índia, México e Turquia), citando preocupações sobre a existência de possíveis cepas de coronavírus que possam ser mais resistentes às vacinas.

O ministério alertou ainda que todos os israelenses, incluindo os vacinados e recuperados, devem evitar qualquer viagem internacional "desnecessária" por enquanto.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Israel [Ásia]coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.