Jalaa Marey/AFP
Jalaa Marey/AFP

Pela primeira vez em duas décadas, protestos em massa explodem entre os cidadãos árabes de Israel

Agitação nas comunidades árabes-israelenses reflete queixas de longa data sobre seu status e segurança dentro de Israel, de acordo com analistas e ativistas árabes

Miriam Berger / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2021 | 16h37

RAMLE, ISRAEL - A escalada do conflito entre israelenses e palestinos gerou um surto de protestos cada vez mais voláteis dos próprios cidadãos árabes de Israel, que tomaram as ruas esta semana em números nunca vistos em duas décadas.

Embora a agitação nos territórios ocupados não seja incomum, a manifestação de apoio entre os cidadãos árabes aos palestinos em Jerusalém e Gaza e a manifestação da raiva nas cidades israelenses com grandes populações árabes representam um raro desafio na frente doméstica de Israel.

Em cidades predominantemente árabes e com populações mistas de árabes e judeus, as manifestações na noite de terça-feira rapidamente se transformaram em violentos confrontos com a polícia israelense e contra-manifestações israelenses de direita. A polícia disparou gás lacrimogêneo e balas revestidas de borracha, enquanto saques e ataques incendiários se espalhavam.

“Foi como uma guerra aqui”, disse Yousef, de 35 anos, residente da cidade mista de Ramle, no centro de Israel, que se recusou a fornecer seu sobrenome por temer ser preso. Ele acusou a polícia israelense de não conseguir impedir que judeus religiosos atacassem pessoas fora de sua mesquita e, em vez disso, atacassem árabes locais.

Em Ramle, circularam vídeos de israelenses de direita atirando em carros dirigidos por árabes. Na vizinha Lod, perto do aeroporto internacional de Israel, os árabes atacaram várias sinagogas e lojas. E confrontos e tumultos eclodiram em outras cidades israelenses, incluindo Haifa, Acre e Sakhnin.

Na quarta-feira à noite, grupos de residentes árabes, alguns com bastões e pedras, começaram a proteger suas ruas em Lod contra grupos de judeus israelenses, alguns armados também com bastões e armas. Esses israelenses de direita, muito jovens e de assentamentos judeus na Cisjordânia, foram a Lod dizendo que queriam proteger os residentes judeus.

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, declarou na quarta-feira o estado de emergência em Lod, local de alguns dos piores atos de violência após o funeral de um israelense árabe de 25 anos que foi morto a tiros na noite de segunda-feira. Foi a primeira vez que um estado de emergência foi declarado em uma comunidade árabe desde 1966, quando Israel suspendeu as restrições ao movimento de alguns árabes estabelecidos na independência de Israel em 1948.

A polícia de fronteira israelense, que normalmente patrulha a Cisjordânia ocupada por Israel e Jerusalém Oriental, foi enviada para Lod. A polícia ergueu bloqueios de estradas para impedir as pessoas de entrar na cidade.

O porta-voz da polícia israelense Micky Rosenfeld disse que 270 pessoas foram presas na terça-feira em todo o país em "distúrbios e tumultos em grande escala". Em alguns casos, disse ele, residentes judeus que se armaram com tacos e outras armas estavam "andando nas ruas para se proteger".

“Não vimos esse tipo de violência desde outubro de 2000”, disse o chefe da polícia israelense Kobi Shabtai, referindo-se ao levante em massa palestino que durou cinco anos e no qual milhares de israelenses e palestinos foram mortos.

Os distúrbios ocorreram no momento em que israelenses e militantes palestinos em Gaza continuaram trocando foguetes e ataques aéreos em uma das piores violências na fronteira em anos. Pelo menos 65 habitantes de Gaza, incluindo 16 crianças, e 6 israelenses, incluindo uma adolescente, foram mortos, segundo autoridades dos dois lados.

O aumento da violência veio em meio aos esforços contínuos de colonos israelenses para despejar várias famílias palestinas do bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental, bem como ferozes confrontos entre palestinos e a polícia israelense na Mesquita de al-Aqsa e ao redor dela, na Cidade Velha de Jerusalém.

Hassan Jabreen, o diretor-geral da Adalah, o Centro Legal para os Direitos das Minorias Árabes em Israel, disse que não tinha visto esse tipo de “medo e preocupação com a segurança entre as populações árabes” em duas décadas.

Mas a agitação nas comunidades árabes-israelenses reflete queixas de longa data sobre seu status e segurança dentro de Israel, de acordo com analistas e ativistas árabes.

Os protestos são em parte “por causa da raiva que vem crescendo há anos e anos”, disse Rami Younes, um escritor e cineasta árabe originário de Lod. “Parece que há uma nova geração que é destemida e direta, que está farta da agressão e opressão aos árabes.”

Os árabes representam 20% da população de Israel e são descendentes dos palestinos que permaneceram dentro das fronteiras de Israel após a guerra árabe-israelense de 1948. Há muito eles se queixam do que dizem ser discriminação institucionalizada contra eles.

Jabreen disse que Netanyahu, seu ministro de segurança pública e a polícia compartilham a responsabilidade pelos últimos distúrbios por causa da retórica que incita a divisão entre árabes e judeus. As autoridades israelenses rejeitam essa acusação.

Na quarta-feira, o ministro da Segurança Pública, Amir Ohana, defendeu os “cidadãos cumpridores da lei” que portam armas para ajudar a polícia e criticou a prisão de três suspeitos no assassinato de Lod na noite de segunda-feira.

Enquanto Lod se preparava para mais distúrbios na quarta-feira, Arafat Ismail se preparava para enterrar seu cunhado Khalil Awaad e sua sobrinha de 16 anos, Nadine Awaad,  que foram mortos de manhã quando um foguete disparado de Faixa de Gaza atingiu o lado de sua casa.

O impacto do foguete atingiu Awaad e sua filha, que estava abrigada ao lado de dois carros agora incinerados. 

Enquanto as autoridades israelenses pedem aos residentes que permaneçam dentro de casa quando as sirenes de ataque aéreo soarem, Ismail disse que as pessoas em sua comunidade geralmente preferem ficar do lado de fora porque temem que as paredes de suas casas não sejam fortes o suficiente para sobreviver a uma explosão.

Como cidadão árabe de Israel, ele disse: “você existe e é invisível ao mesmo tempo”.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Israel [Ásia]Faixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.