Pela primeira vez, general alemão encabeça festa francesa

Numa demonstração dos fortes vínculos que unem a França e a Alemanha e pela primeira vez na história, um general alemão saiu à frente da parada militar com que os franceses comemoram sua data nacional, o Dia da Bastilha. Medidas de segurança sem precedentes cercaram o desfile militar, depois de o presidente francês, Jacques Chirac, ter sobrevivido a uma tentativa de assassinato na parada do ano passado. Cerca de 5 mil agentes das forças de segurança usaram detectores de metal em busca de armas antes de dividir a multidão presente em dezenas de grupos separados ao longo da avenida Champs Elysées, vigiados de perto por agentes em trajes civis. A polícia prendeu seis manifestantes durante a cerimônia, incluindo três que carregavam faixas em apoio ao fazendeiro e ativista José Bové, que foi detido no mês passado por destruir lavouras geneticamente modificadas. É proibido promover manifestações durante a parada. O general Holger Kammerhoff abriu a marcha à frente de 120 soldados do Eurocorps, uma força da qual participam cinco países europeus, que desfilaram ao longo da famosa avenida em direção à não menos famosa Place de la Concorde. O Eurocorps, baseado na cidade oriental francesa de Estrasburgo, foi criado há uma década e inclui 70.000 soldados que farão parte de qualquer futuro exército conjunto europeu. No total, cerca de 4.000 soldados, 350 tanques, jipes e outros veículos e mais de 280 cavalos, acompanhados do alto por 76 aviões militares, participaram do desfile em homenagem ao 14 de julho - dia em que uma multidão de franceses revoltados tomaram a prisão da Bastilha, símbolo do poder monárquico derrubado pela revolução iniciada em 1789.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.