Pelo menos 10 mortos e 50 detidos no Iraque

Pelo menos 10 pessoas - entre elas um coronel da polícia e um suposto insurgente - morreram nesta quarta-feira em uma série de ataques e confrontos registrados em várias regiões do Iraque, informaram fontes policiais e militares. Nesta manhã em Madain, 30 quilômetros ao sul da capital, um grupo de insurgentes atacou, com lança-granadas, o prédio da prefeitura e matou quatro policiais, entre eles o coronel Ahmed Yabar. Yabar comandava a brigada de polícia "Salam" na cidade, que já foi cenários de violentos enfrentamentos entre as forças de segurança e os grupos rebeldes. Militares dos EUA e soldados das Forças de Segurança do Iraque isolaram o edifício atacado e fizeram uma busca minuciosa para encontrar os responsáveis pelo atentado. Durante a operação militar, as tropas revistaram várias casas de Iskandariya, Samarra e Latifiya. Nesta última, um suposto rebelde morreu em um confronto com as forças de segurança. Um comunicado do comando militar dos EUA afirmou que cerca de 50 supostos rebeldes foram detidos nas três cidades, no chamado "triângulo da morte", onde são freqüentes os ataques contra as tropas dos EUA e as forças de segurança iraquianas. De acordo com a nota, a operação pretendia proteger milhares de xiitas que passavam pela região ao voltarem para suas cidades depois de terem participado nesta semana de uma festa religiosa em Karbala, a 110 quilômetros ao sul de Bagdá. Apesar do empenho dos militares, pelo menos dois peregrinos xiitas morreram e 33 ficaram feridos em dois ataques praticados nesta quarta-feira por grupos armados no oeste de Bagdá, informou a polícia iraquiana. Em Baquba, três caminhoneiros morreram em outro ataque em uma estrada. As novas mortes aumentam para cerca de 30 as vítimas mortais nas últimas 24 horas, depois do ataque que custou a vida de 18 agentes de segurança iraquianos na última terça-feira em Miqdadiya, 85 quilômetros ao norte da capital.

Agencia Estado,

22 Março 2006 | 11h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.