Pelo menos 16 morrem em ataques de rebeldes na Colômbia

Centenas de guerrilheiros supostamente ligados às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) atacaram na madrugada desta quarta-feira um quartel da polícia numa remota vila do norte da Colômbia, matando pelo menos 16 policiais, informaram autoridades. Os guerrilheiros bombardearam por cerca de seis horas com morteiros improvisados o quartel na vila de Tierradentro, 370 km a noroeste de Bogotá, destruindo também casas vizinhas. A Polícia Nacional informou que pelo menos 16 policiais foram mortos. Imediatamente após o quartel ter sido cercado e atacado, por volta das 2h30 (horário local), dois policiais morreram. Os oficiais que estavam dentro do quartel chamaram reforço por rádio e 14 policiais foram enviados para o local. Todos eles foram mortos em uma emboscada realizada pelos guerrilheiros. Jaime López, o responsável pela segurança do departamento (estado) de Córdoba, onde ocorreu o ataque, disse que 10 a 12 policiais estavam desaparecidos e que quatro civis foram feridos. Segundo ele, o ataque foi promovido por "aproximadamente 450 guerrilheiros". Mais tarde, helicópteros e aviões de combate foram chamados para ajudar na defesa do quartel e forçaram os rebeldes a recuar, disse o general Jorge Ballesteros, comandante da Força Aérea. O Exército barrou a entrada de jornalistas na região, alegando que os combates persistiam. O Ministério da Defesa anunciou que tropas do Exército haviam entrado em confronto com uma coluna rebelde e que pelo menos três guerrilheiros foram mortos. Ataque mais mortífero O ataque foi o mais mortífero desde que o presidente Alvaro Uribe assumiu seu segundo mandato em 7 de agosto e ocorre duas semanas depois que Uribe cancelou negociações com as Farc sobre uma possível troca de prisioneiros depois de culpar os rebeldes esquerdistas por um atentado com carro-bomba que feriu 23 pessoas numa academia militar em Bogotá. Os guerrilheiros não assumiram a responsabilidade pelo carro-bomba. As Farc, que lutam pelo poder a mais de meio século, divulgaram um comunicado na noite de terça-feira reafirmando sua intenção de negociar com o governo. O quartel de Tierradentro havia sido recentemente construído por ordens de Uribe, respondendo a temores de moradores de que os rebeldes estariam preparando uma ofensiva na região. As milícias paramilitares de direita controlavam grande parte da região norte da Colômbia antes de sua desmobilização como parte de um acordo de paz com o governo. Texto atualizado às 18h36

Agencia Estado,

01 Novembro 2006 | 16h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.